Papua-Nova Guiné

Deslizamento de terras na Papua-Nova Guiné deixou centenas de mortos, calculam autoridades

Quase 4.000 pessoas vivem em aldeias que foram afetadas

Papua-Nova GuinéPapua-Nova Guiné - Foto: Reprodução/Internet

Escombros instáveis estavam complicando os esforços de busca e resgate na área rural de Papua-Nova Guiné neste sábado, um dia após um grande deslizamento de terra soterrar vilarejos e matar pelo menos três pessoas.

Autoridades locais, no entanto, disseram que o número de mortos provavelmente estaria na casa das centenas.

Quase 4 mil pessoas vivem nos três vilarejos impactados pelo deslizamento de terra na madrugada de sexta-feira, disse Sandis Tsaka, administrador provincial de Enga, que inclui a área afetada.

Ele disse que o número de mortos provavelmente seria alto porque o deslizamento atingiu uma área densamente povoada que também é muito trafegada.

"Nossos moradores vão considerar isso de proporções bíblicas. Estamos buscando toda a ajuda e apoio que pudermos obter para enfrentar o desastre humanitário de proporções que nunca vimos nesta parte do mundo."

O primeiro-ministro James Marape disse em uma mensagem de voz que, embora o número de vítimas ainda não tenha sido determinado, o desastre pode ser o maior deslizamento de terra do país.

"Este ano, experimentamos chuvas prolongadas e extraordinárias na maior parte do nosso país, que causaram inundações e também deslizamentos de terra. É uma vila densamente povoada que experimentou a submersão de toda a vila."

Três corpos foram retirados dos escombros na sexta-feira, e cinco pessoas, incluindo uma criança, foram tratadas por seus ferimentos, segundo o Tsaka.

O desastre ocorreu por volta das 3 da manhã, pegando a maioria dos moradores desprevenidos e enviando enormes rochas, algumas maiores que contêineres de carga, rolando morro abaixo.

Pelo menos 60 casas foram enterradas sob até 6 metros de escombros, disse Tsaka. Pelo menos um trecho de 150 metros da Rodovia Porgera, a principal via de conexão da área, foi inundado, ele disse.

O deslizamento soterrou uma área equivalente a cerca de três ou quatro campos de futebol, disse Serhan Aktoprak, chefe de missão do escritório da Organização Internacional para Migrações em Papua-Nova Guiné.

Recorde: mais de 10 mil migrantes cruzaram o Canal da Mancha desde o início do ano

Um comboio de ajuda humanitária, após alguns atrasos, chegou aos vilarejos afetados na tarde de sábado para entregar lonas e água, ele disse, embora nenhum alimento tenha chegado no sábado.

Os vilarejos são habitados principalmente por agricultores de subsistência e estão na região das terras altas de Papua-Nova Guiné, uma nação insular no Oceano Pacífico ao norte da Austrália. A província tem sido afligida nos últimos meses por confrontos mortais crescentes entre grupos tribais.

O comboio de ajuda foi atrasado por um bloqueio montado por um dos grupos envolvidos no conflito, e só foi liberado após a intervenção militar, disse o Aktoprak, atrasando os esforços de socorro quando o tempo era crucial. As horas de luz do dia estão ficando mais curtas no Hemisfério Sul, com o sol se pondo pouco antes das 18 horas, ele observou.

Tsaka, a autoridade provincial, disse que a área era propensa a deslizamentos de terra menores, e nos últimos meses, o tempo estava continuamente úmido.

Chuvas fortes estão previstas para continuar atingindo a área nos próximos dias, dificultando ainda mais os esforços de resgate. Organizações internacionais e as forças de defesa do país estavam chegando para ajudar, segundo Tsaka.

Michael Main, um antropólogo que pesquisa a violência tribal em Papua-Nova Guiné, disse que o país tem visto um rápido aumento populacional, especialmente em lugares ricos em recursos como a área afetada pelo deslizamento, que fica perto da mina de ouro Porgera.

As terras altas tropicais do país, com chuvas intensas, atividade tectônica frequente e geologia instável, são propensas a deslizamentos, disse ele.

"Seus vilarejos estão se expandindo, e há simplesmente mais pessoas e mais casas espalhadas pela paisagem", disse Main, pesquisador da Iniciativa para a Construção da Paz da Universidade de Melbourne.

"Então, mais pessoas serão impactadas por esses eventos."

O Presidente Biden disse em uma declaração na sexta-feira que os Estados Unidos estavam prontos para ajudar nos esforços de resgate e recuperação. A ministra das Relações Exteriores da Austrália, Penny Wong, também disse em uma declaração que seu país estava pronto para responder a pedidos de assistência.

Vincent Pyati, presidente da Associação de Desenvolvimento Comunitário local, disse que a área era um ponto de transporte onde muitos vinham de áreas remotas durante a noite para pegar veículos motorizados públicos, um método popular de trânsito, provavelmente aumentando o número de vítimas. Ele disse que também havia um clube de bebidas popular entre pessoas de todo o distrito. Pyati disse que pelo menos 300 pessoas eram estimadas como mortas.

Veja também

Pequinês de língua caída e sem dentes é eleito o cão mais feio do mundo
EUA

Pequinês de língua caída e sem dentes é eleito o cão mais feio do mundo

Grécia: 13 são presos acusados de causar incêndio ao lançar fogos de artifício de iate
INCÊNDIO FLORESTAL

Grécia: 13 são presos acusados de causar incêndio ao lançar fogos de artifício de iate

Newsletter