BRASIL

Desmatamento da Mata Atlântica cresce 66% entre 2020 e 2021, diz estudo

Dados são do Atlas da Mata Atlântica, pesquisa realizada desde 1989 pela Fundação SOS Mata Atlântica com o Inpe

Desmatamento na AmazôniaDesmatamento na Amazônia - Foto: Florian Plaucheur/ AFP

Assim como em outras regiões do país, o desmatamento explodiu também na Mata Atlântica. Entre 2020 e 2021 foram derrubados 21.642 hectares do bioma, um crescimento de 66% em relação ao registrado entre 2019 e 2020 (13.053 ha) e 90% maior que entre 2017 e 2018, quando se atingiu o menor valor de desflorestamento da série histórica (11.399 ha).

Os dados são do Atlas da Mata Atlântica, estudo realizado desde 1989 pela Fundação SOS Mata Atlântica em parceria com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), lançado nesta quarta-feira (25), dois dias antes da data em que é celebrado o Dia Nacional da Mata Atlântica.

— Os dados nos surpeenderam. Infelizmente, a gente já esperava uma tendência de alta porque isso aconteceu no Brasil inteiro, mas a escala e o tamanho foram alarmantes — alerta o diretor de Conhecimento da SOS Mata Atlântica e coordenador do Atlas, Luis Fernando Guedes Pinto.

A perda de florestas naturais, área em que caberiam mais de 20 mil campos de futebol, corresponde a 59 hectares por dia ou 2,5 hectares por hora, além de representar a emissão de 10,3 milhões de toneladas de CO2 equivalente na atmosfera.
 

— Se as derrubadas persistirem, vai faltar água, vai faltar alimento, vai faltar energia elétrica. É uma ameaça à vida, um desastre não só para o Brasil como para o mundo, pois importantes referências internacionais apontam a Mata Atlântica como um dos biomas que precisam ser restaurados com mais urgência para atingirmos a meta de redução de 1,5°C de aquecimento global estabelecida no Acordo de Paris. Mas estamos percorrendo o caminho oposto, em direção a sua destruição — afirma.

Em relação ao período anterior, houve alta do desmatamento em 15 dos 17 estados que compõem o bioma Mata Atlântica. Cinco acumulam 89% do desflorestamento verificado: Minas Gerais (9.209 ha), Bahia (4.968 ha), Paraná (3.299 ha), Mato Grosso do Sul (1.008 ha) e Santa Catarina (750 ha).

Segundo Guedes Pinto, os principais pontos de pressão são na fronteira de Minas Gerais com Bahia, com forte retirada para a produção de carvão, eucalipto, siderúrgica e pastagem. Outro bloco de atenção está entre Paraná e Santa Catarina.

— Nesse local, é a expansão para agricultura. Lavoura agrícula e silvicultura caracterizada por muitos pequenos desmatamentos. Pessoal comendo pelas beiradas onde a mata vai sumindo aos poucos — explica o diretor de Conhecimento da SOS Mata Atlântica.

A pressão da soja no Mato Grosso do Sul, na fronteira com o Cerrado, e os múltiplos pequenos desmatamentos ao redor as regiões metropolitanas, como no Rio e São Paulo, da expansão imobiliária são outros pontos de atenção, segundo o especialista.

— A gente precisa de uma fiscalização muito mais rigorasa e mais ágil. Dados do Mapbiomas mostram 90% dos desmatamentos detectados não tem fiscalização e punição — afirma.

O diretor da ONG afirma que já estão sendo testadas, sob emgargos, autuações remotas, uma alternativa à falta de estrutura dos órgãos fiscalizadores.

— A partir das imagens de statelite, é possível realizar proceso automático, no qual os computadores resolvem esse problema já que o governo não tem como ir em todos os pontos de desmatamento. É preciso fortalecer os órgãos ambientais, mas também é possível ter inovação na ação de fiscalização para acabar com essa sensação de impunidade — defende.

A Fundação SOS Mata Atlântica promove iniciativas que estão entre as que mais contribuem para a restauração do bioma no país, contabilizando cerca de 42 milhões de mudas de árvores nativas plantadas e cerca de 23 mil hectares restaurados em nove estados – uma área equivalente ao território de Recife (PE).

O trabalho de restauração florestal desenvolvido pela SOS Mata Atlântica combina o monitoramento da cobertura de florestas e vegetação natural, produção e plantio de mudas de espécies nativas, estudos e apoio à pesquisa e incidência em políticas públicas. É um trabalho de médio prazo, que só se encerra quando as mudas se transformam em uma floresta jovem com potencial para fornecimento de serviços ecossistêmicos, como a água e regulação climática, e com o retorno da biodiversidade local.

Veja também

México diz que trabalha 'duro' para impedir que fentanil chegue aos EUA
AMÉRICA DO NORTE

México diz que trabalha 'duro' para impedir que fentanil chegue aos EUA

Brasil apresenta objetivos de desenvolvimento sustentável na ONU
ONU

Brasil apresenta objetivos de desenvolvimento sustentável na ONU

Newsletter