MUNDO

Dezenas de milhares de pessoas comparecem ao funeral do presidente iraniano, em Teerã

Cerimônias vão durar até a noite de quinta-feira, quando o corpo de Raise será sepultado em Mashhad, sua cidade natal

Dezenas de milhares de pessoas se reúnem no cortejo fúnebre do presidente do Irã, Ebrahim Raisi, em Qom  Foto: Dezenas de milhares de pessoas se reúnem no cortejo fúnebre do presidente do Irã, Ebrahim Raisi, em Qom Foto:  - Foto: Hamid Abedi/Irna/AFP

Dezenas de milhares de pessoas reuniram-se na manhã de quarta-feira, no centro de Teerã, para o funeral do presidente iraniano, Ebrahim Raisi, que morreu no domingo num acidente de helicóptero.

A multidão reuniu-se dentro e ao redor da Universidade de Teerã, onde o líder supremo do país, o aiatolá Ali Khamenei, conduz as orações na cerimônia de despedida de Raisi e seus sete companheiros de comitiva, que também faleceram no acidente, entre eles o ministro dos Negócios Estrangeiros, Hossein Amir Abdollahian.

A queda da aeronave ocorreu no domingo numa zona montanhosa do noroeste do Irã, quando a delegação se dirigia à cidade de Tabriz, após a inauguração de uma barragem na fronteira com o Azerbaijão.

A operação de resgate, dificultada pela chuva e pelo nevoeiro, envolveu dezenas de equipes e contou com a ajuda da Turquia, Rússia União Europeia.

Na manhã de segunda-feira, a televisão estatal anunciou a morte do presidente, de 63 anos, eleito em 2021 e considerado um dos favoritos para eventualmente suceder ao Guia Supremo Khamenei.

Na capital, enormes faixas homenageavam o falecido presidente com slogans como “o mártir em serviço” ou “adeus ao servo dos desfavorecidos”.

Os residentes de Teerã receberam mensagens telefônicas instando-os a comparecer ao funeral.

O cortejo fúnebre começa na Universidade de Teerã e seguir em direção à enorme Praça Enghelab, no centro da cidade, segundo a mídia estatal.

Enterro em sua cidade natal
O funeral do presidente e da sua comitiva começou na terça-feira, com dezenas de milhares de pessoas presentes na transferência dos caixões de Tabriz para a cidade sagrada xiita de Qom.

De Teerã, os restos mortais de Raisi e sua comitiva serão enviados para a província de Khorasan do Sul e, de lá, para Mashhad, cidade natal de Raisi, onde será enterrado na noite de quinta-feira.

Após a morte, o aiatolá Khamenei declarou cinco dias de luto nacional e nomeou o vice-presidente, Mohammad Mokhber, como presidente interino até a realização das eleições, em 28 de junho.

O cargo de ministro das Relações Exteriores será ocupado por Ali Bagheri, até agora vice-chanceler e principal negociador do programa nuclear iraniano.

O chefe do Estado-Maior das Forças Armadas do Irã, Mohammad Bagheri, ordenou uma investigação sobre a causa do acidente.

 

O ultraconservador Raisi sucedeu ao moderado Hassan Rouhani em 2021, num momento difícil para a economia do país, dizimado pelas sanções impostas por Washington contra o programa nuclear iraniano.

Durante o seu mandato, enfrentou um movimento de protesto popular em 2022, uma crise econômica agravada pelas sanções dos EUA e o aumento das tensões com o seu inimigo jurado, Israel, por causa da guerra em Gaza.

Os aliados do Irã, como Rússia e China, expressaram suas condolências pela morte, tal como as potências regionais e movimentos relacionados com Teerã, como o Hamas palestino ou o Hezbollah libanês.

Veja também

Com doses próximas do vencimento, Saúde amplia vacinação contra dengue
VACINAÇÃO

Com doses próximas do vencimento, Saúde amplia vacinação contra dengue

Auxílio Reconstrução: 182 prefeituras ainda não cadastraram famílias
RIO GRANDE DO SUL

Auxílio Reconstrução: 182 prefeituras ainda não cadastraram famílias

Newsletter