Dia do Educador Físico é celebrado com doação de sangue no Hemope

A campanha proposta pela Associação de Profissionais de Educação Física de Pernambuco convida toda a população, com enfoque nos educadores físicos

Educadores físicos em mutirão de doação de sangue. Educadores físicos em mutirão de doação de sangue.  - Foto: Caio Danyalgil/ Folha de Pernambuco

Em ato solidário, profissionais e alunos de educação física protagonizam mutirão de doação de sangue nesta terça-feira (3), na Fundação de Hematologia e Hemoterapia de Pernambuco (Hemope). A iniciativa foi organizada pela Associação de Profissionais de Educação Física de Pernambuco (Apef - PE) como uma forma de lembrar o Dia do Profissional de Educação Física, celebrado no domingo (1º).

Até o fim do dia, a expectativa é que aproximadamente 50 pessoas, motivadas pela campanha, façam a doação - totalizando mais de 25 litros de sangue para o banco do Hemope.

Leia também:
Hemope convoca doadores para recuperar estoque de sangue
Almir Rouche anima doadores no Hemope


Para a diretora e fundadora da associação, Liana Lisboa, a ação está alinhada ao trabalho do educador físico, que pensa no bem estar e saúde do próximo. “Nós trabalhamos na perspectiva da promoção e da prevenção. Esse é o trabalho do profissional no dia a dia, proporcionar espaços e oportunidades para que a pessoa tenha qualidade de vida”, explica.

Desta vez, a ação pensa em auxiliar quem não tem a chance de se exercitar. “A gente se sensibilizou para as pessoas que não podem fazer atividade física”, conta.

A campanha proposta pela Associação convida toda a população, com enfoque nos educadores físicos e pessoas envolvidas nessa área, como os alunos. “Quem está precisando de sangue não pode esperar. A nossa vontade é que seja uma campanha de cidadania e solidariedade para todos”, expôs Liana.

Janinne Batista, 36, é professora de educação física na Academia da Cidade do Recife e fez a doação pela primeira vez. Para ela, ajudar é o que importa. “O interessante é a ajuda, eu nunca tinha atinado para doar, e quando você chega aqui e vê a necessidade que tem, saber que pode realmente salvar uma vida, é muito bom”, afirma.

A professora pretende tornar a doação isolada um hábito. “Já estou me escalando para daqui a quatro meses vir novamente”, finalizou. Esse deve ser o intervalo entre as doações para mulheres; para homens, são três meses.

Na ação, também é possível encontrar alunos que foram mobilizados pelos professores. Eliane Maria, 34, é uma delas. Aluna de ginástica, a mulher enxerga a ação como de extrema importância. “A doação é muito importante para as pessoas que precisam, eu fui incentivada a doar e vi na ação uma forma de ajudar o outro”, disse.

Quem pode doar

A doação pode ser feita por pessoas de idade entre 16 e 69 anos, de forma que menores de 18 anos precisam da presença do responsável. Além disso, é necessário pesar mais de 50 quilos, ir bem alimentado e apresentar um documento original com foto.

Veja também

Pandemia aprofunda crise em serviços de aborto legal
Direitos da mulher

Pandemia aprofunda crise em serviços de aborto legal

Em live, Prefeitura debate 'violência doméstica em tempos de pandemia'; Paulista cancela atividades
Dia Internacional da Mulher

Em live, Prefeitura debate 'violência doméstica em tempos de pandemia'; Paulista cancela atividades