Dia Mundial da Conscientização do Autismo é lembrado no Recife

Ação foi organizada pela Associação de Amigos do Autista na Estação Central do Metrô do Recife. Foram distribuídos panfletos a quem passava pelo local para alertar a população

Campanha alerta para Dia Mundial da Conscientização sobre o AutismoCampanha alerta para Dia Mundial da Conscientização sobre o Autismo - Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

O Dia Mundial da Conscientização do Autismo é celebrado em 2 de abril. Para marcar a data, uma campanha na Estação Central do Metrô do Recife distribuiu panfletos a quem passava pelo local para alertar a população. A ação foi organizada pela Associação de Amigos do Autista - Grupo de Estudo sobre Transtornos Invasivos do Desenvolvimento (Ama-Getid).

A professora de ensino especial Ana Cláudia Albuquerque é mãe de uma criança com autismo e relata como os pais podem identificar o Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) em seus filhos. "Existem dois tipos de autismo: o que é percebido nos sinais no começo da vida, que é o autismo infantil, e o autismo atípico, que desenvolve num dado momento no final da primeira infância, quando a criança começa a regredir", explica. Ana Cláudia alerta para a importância do diagnóstico precoce.

Leia também:
Artista com autismo expõe retratos de personalidades pernambucanas
Estudo vincula antidepressivos na gravidez a autismo


"Aos primeiros sinais, quando a criança não faz contato visual e perde ou não tem oralidade, por exemplo, os pais devem procurar um pediatra. Os marcos de desenvolvimento quando não são atingidos merecem atenção. O diagnóstico precoce é muito importante", alerta.

A professora conta como identificou o autismo no filho. "Ele começou a ter perdas. Na linha do desenvolvimento até os dois anos ele dava tchau e falava, tudo normal. Por volta dos dois anos ele começou a apresentar o que chamamos de autismo regressivo. Começou a perder a comunicação, a interação social, ter interesses restritos e repetitivos. Procuramos um pediatra que indicou a um neuropediatra, que continuou o diagnóstico", completa.

A pediatra Daniela Brandão detalha os diferentes tipos de diagnóstico do TEA. "O diagnóstico pode variar de espectros leves - que passam despercebidos - a moderados e graves", diz Daniela, que discorre sobre os espectros. "No leve, são pessoas que trabalham com a gente, que muitas vezes não têm esse diagnóstico e só apresentam por volta dos 20 ou 25 anos. São pessoas que têm dificuldades de relacionamentos e de lidar com o outro. Quando não conseguem interagir bem com a sociedade têm tendência a ficar isolados. Então esse diagnóstico pode ser mais tardio".

A passageira Antônia Andrade recebeu um dos panfletos e falou sobre a importância da campanha. "Não conheço ninguém com autismo, mas já vi em uma novela com uma pessoa com esse transtorno. Uma campanha como essa é importante para alertar a população, pois ouvimos falar pouco sobre isso", disse.

Programação
Ainda nesta segunda, a Ama-Getid promove palestras no Centro de Educação (CE) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), das 18h30 às 21h. Os temas serão "Acessibilidade para a pessoa com TEA no ambiente escolar", com a professora de ensino especial Ana Cláudia Albuquerque e "A importância da fisioterapia no desenvolvimento da pessoa com TEA", com a doutora Karla Ferraz.

   Transtorno do Espectro do Autismo

Segundo pesquisa realizado pelo Centre of Disease Control and Prevention, (o Centro de Controle e Prevenção de Doenças, em tradução livre, agência do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos) existe um caso de autismo para cada 45 pessoas em todo o planeta. O TEA é uma síndrome que se caracteriza por desordens no desenvolvimento do cérebro, que afeta a comunicação social, imaginação e comportamentos repetitivos, principalmente.

A causa do TEA ainda não é conhecida, mas especialistas e vários estudos apontam para causas genéticas.

Veja também

Professora da Unicap é acusada de racismo
Racismo

Professora da Unicap é acusada de racismo

Homem é condenado a pagar 15 salários mínimos por maltratar cães em MG
animais

Homem é condenado a pagar 15 salários mínimos por maltratar cães em MG