Alemanha

Direção do partido de Merkel apoia Armin Laschet para suceder à chanceler

União Democrata Cristã decidiu apoiar Laschet, presidente do partido, apesar de sua posição ruim nas pesquisas

Conservador alemão Armin LaschetConservador alemão Armin Laschet - Foto: MARKUS SCHREIBER / POOL / AFP

O conservador alemão Armin Laschet deu um grande passo no sonho de suceder a Angela Merkel ao ser escolhido pela direção da CDU, nesta segunda-feira (12), como o candidato do partido nas eleições legislativas de setembro.
 
A direção da União Democrata Cristã (CDU) da Alemanha decidiu nesta segunda-feira, durante uma reunião a portas fechadas, apoiar Laschet, presidente do partido, apesar de sua posição ruim nas pesquisas em relação a outro conservador mais popular, Markus Söder, que comanda o partido aliado União Social Cristã (CSU) da Baviera.
 
A decisão não é definitiva. Com o apoio de Armin Laschet (60 anos), porém, que governa a região mais populosa da Alemanha, a Renânia do Norte-Westfalia, tem muitas chances de defender o legado conservador nas eleições e, deste modo, suceder a Angela Merkel. A atual chanceler está há 16 anos no poder.
 
Discurso de candidato
Sem esperar a oficialização da nomeação pelo partido-irmão bávaro, a CSU, Laschet se apressou a apresentar um discurso de candidato, colocando no centro de suas preocupações a recuperação econômica da Alemanha e a proteção do clima, ponto vital ante uma eventual coalizão com os Verdes.
 
Apesar da perda de força nas pesquisas, a CDU continua liderando as sondagens, com quase 28% das intenções de voto, contra 22% dos Verdes.
 
Ministro-presidente da Baviera, Söder, de 54 anos, anunciou no domingo que estava disposto a tentar se tornar o primeiro bávaro a ocupar a Chancelaria - desde que a CDU, muito mais poderosa em escala nacional, anunciasse seu apoio.
 
Apesar de sua grande popularidade na Alemanha e de ter recebido algum apoio dentro da CDU, Söder sabe que será difícil alterar a tendência.
 
A direção da CDU é uma parte crucial para a designação de um candidato. De modo geral, os democrata-cristãos costumam ser eleitos. 
 
A CSU, um partido regional, representou apenas em duas oportunidades o lado conservados nas eleições. Ambas terminaram em fracasso: 1979 e 2002.
 
Um dos políticos mais apreciados do país por sua abordagem estrita e prudente na luta contra o coronavírus, Söder não conseguiu convencer os líderes conservadores para além da Baviera.
 
Estes últimos parecem desconfiar de um governante que há pouco tempo afirmava que seu lugar era Munique, e não Berlim.
 
Ao mesmo tempo, apenas 25% dos alemães acreditam que Laschet, um ex-jornalista, tem condições de assumir o posto de chanceler. Considerado durante muito tempo um moderado vinculado à linha de centro de Angela Merkel, ele teve diversos problemas desde que foi escolhido para liderar a CDU em janeiro.


Sua proposta recente de impor um confinamento rigoroso, mas breve, para enfrentar a terceira onda da pandemia recebeu críticas e ironias.
 
Até então, o dirigente regional se mostrava partidário da flexibilização das medidas e chegou a enfrentar Angela Merkel a respeito da questão.
 
A posição de Laschet também perdeu força após duas derrotas do partido nas eleições de março, marcadas por um caso de suposta corrupção relacionada à compra de máscaras, algo que atingiu deputados conservadores.
 
Apesar das dificuldades, Laschet conseguiu garantir, nos bastidores, o apoio dos dirigentes da CDU, preocupados em deixar o partido à sombra da CSU. 
 
Entretanto, os outros partidos avançaram suas posições. 
 
Os social-democratas do SPD escolheram como candidato seu líder, o ministro das Finanças Olaf Scholz. 
 
E os Verdes, com mais de 20% nas pesquisas de intenção de voto, anunciarão seu candidato na próxima semana, entre os líderes Annalena Baerbock e Robert Habeck.

Veja também

Defesa civil dos municípios da RMR registram ocorrências por conta das chuvas
Chuvas

Defesa civil dos municípios da RMR registram ocorrências por conta das chuvas

Testes de anticorpos após vacina contra Covid-19 são incapazes de garantir a eficácia do imunizante
Coronavírus

Testes de anticorpos após vacina contra Covid-19 são incapazes de garantir a eficácia do imunizante