Discreto antes da pandemia, Mandetta sai sem implementar seu maior projeto

Em vez do vírus que tem nos idosos agora o principal alvo, as palavras ditas há 15 anos por Luiz Henrique Mandetta tratavam do rotavírus, causador de diarreia grave em crianças

Ministro da Saúde, Luiz Henrique MandettaMinistro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta - Foto: Divulgação

"Os hospitais infantis estão aglomerados e começam a faltar medicamentos para combater a doença." Em vez do vírus que tem nos idosos agora o principal alvo, as palavras ditas há 15 anos por Luiz Henrique Mandetta tratavam do rotavírus, causador de diarreia grave em crianças.

A ameaça de colapso na saúde já se mostrava companheira de Mandetta, hoje com 55 anos, no primeiro ano de seu primeiro cargo público, em 2005, então secretário de Saúde de Campo Grande. E também dois anos depois, quando apareceu nas páginas do jornal Folha de S.Paulo para se manifestar sobre a maior epidemia de dengue na capital sul-mato-grossense.

Demitido por Jair Bolsonaro no auge da popularidade –seu trabalho na crise do coronavírus tinha o dobro da aprovação do próprio presidente, segundo o Datafolha–, Mandetta deixou a secretaria em 2010 para se candidatar naquele ano a deputado federal.

Leia também:
Após demitir Mandetta, Bolsonaro agradece ex-ministro e volta a criticar excessos de governadores
Maia diz que Mandetta deixa legado e elogia dedicação do ministro
Demissão de Mandetta provoca panelaços contra Bolsonaro no País


Acabou eleito para dois mandatos, de 2011 a 2018, tendo atuação mediana na Câmara, sem grande destaque, sempre voltado à área da saúde. Mandetta é médico, com pós-graduação em ortopedia pediátrica no Brasil e nos EUA.

Um dos momentos em que ganhou alguma projeção foi quando ingressou na linha de frente da crítica ao Mais Médicos, criado na gestão Dilma Rousseff (2011-2016) para levar profissionais ao interior do país, entre eles cubanos.

Nesse ponto se uniu publicamente, aparentemente pela primeira vez, ao então colega Jair Bolsonaro. Mandetta não se candidatou a deputado em 2018. A amigos dizia que pretendia voltar a Campo Grande para ficar com a família.

Acabou por se tornar um dos colaboradores do programa de governo de Bolsonaro, junto com o nome anunciado nesta quinta (16) para sucedê-lo, o oncologista Nelson Teich.

O esforço ajudou o então deputado a ser escolhido para o ministério. Sua indicação foi atribuída à bancada parlamentar da área da saúde e ao atual governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), hoje rompido com o presidente.

Mandetta já estreou na função de ministro sob a pressão do desmanche do Mais Médicos. Com isso, estabeleceu como sua principal vitrine o lançamento de um substituto, batizado de Médicos pelo Brasil.

A proposta, lançada só em agosto de 2019, previa a contratação de até 18 mil médicos por meio de seleção com prova objetiva, contratação em carteira de trabalho e pagamento cujo valor varia conforme a etapa de atuação, local onde o médico está inserido e progressão na carreira, além de novo critério de distribuição de profissionais.

A medida agradou a entidades médicas e ao presidente, que usou o lançamento para fazer ataques a médicos cubanos e ao PT. No Congresso, a medida quase caducou, porém, e acabou aprovada no fim do prazo. Inicialmente, Mandetta falava em ter um programa em execução ainda no fim do ano, mas não conseguiu.

Atrasos na criação de uma agência responsável por gerir os contratos impediram o lançamento da primeira seleção, e Mandetta teve de recorrer ao Mais Médicos em meio à pandemia, que devastou o planejamento anterior da pasta.

O governo foi obrigado a lançar em março deste ano um edital para reincluir no programa 1.800 cubanos que ficaram no Brasil após o rompimento dos contratos entre Cuba e Opas (Organização Pan-americana de Saúde).

Ao ingressar no ministério, Mandetta adotou na pasta, em certa medida, uma prática que na campanha foi tratada como um dos vícios a serem sanados por Bolsonaro: o do aparelhamento político de cargos públicos.

Ele levou para a pasta ex-deputados federais do DEM, seus aliados: José Carlos Aleluia (DEM-BA), assessor especial, e Abelardo Lupion (DEM-PR), diretor de gestão.
Para além do Médicos pelo Brasil, os cem primeiros dias da gestão no ministério foram marcados por poucos anúncios e lista crescente de intenções. A gestão passou a dar resultados após a reorganização das secretarias da pasta.

O ministro criou uma específica para a atenção básica, de atendimento em unidades de saúde. Ao mesmo tempo, foi criticado por transformar o departamento de HIV e Aids em departamento de doenças crônicas, retirando visibilidade da luta contra a doença.

Campanhas contra a Aids, aliás, perderam o foco na chamada prevenção combinada –nome dado aos modelos múltiplos de prevenção– na gestão de Mandetta. Gays, lésbicas e transexuais também saíram de cena.

Antes do coronavírus, o ministro era considerado avesso a polêmicas. Ao receber pedido de apoio a uma campanha de abstinência sexual, adotou tom conciliador, chegando a fazer com que entendessem que era contra a proposta.

Na prática, porém, Mandetta liberou recursos para uma campanha focada em "reflexão" contra a gravidez na adolescência e considerada como pontapé da proposta. A medida prosperou mesmo com objeções de entidades médicas.

Mandetta tentou concentrar a gestão em anúncios para a atenção básica, ampliando o turno de atendimento nos postos de saúde com o programa Saúde na Hora. A política de financiamento da atenção básica, ancorada em resultados e indicadores, foi mais polêmica e desagradou municípios. O Mandetta político sempre teve perfil conservador, se declara religioso, mas nunca praticou o ativismo ideológico de direita, como colegas da Esplanada.

A popularidade, porém, só chegou após a atuação do Ministério no combate ao coronavírus, em linha divergente da defendida por Bolsonaro. Logo no início da pandemia, o ministério adotou a política de dar entrevistas coletivas diárias com o intuito de dar transparência às medidas adotadas no combate ao vírus.

Mandetta adotou no início uma linha mais cautelosa, mas no decorrer do tempo, em meio às notícias alarmantes que pipocaram em vários países do mundo, passou a ser obrigado a acelerar, em um momento só, a busca de soluções para os crônicos problemas do SUS, o Sistema Único de Saúde –como a insuficiência de recursos e a falta de unidades de tratamento intensivo e equipamentos, como respiradores.

Ao mesmo tempo, o ministro passou a adotar uma linha mais firme de defesa dos pressupostos científicos, do isolamento social, o que o colocou em choque com Bolsonaro. Enquanto o ministério orientava ações cada vez mais restritivas de convívio social, Bolsonaro ia em linha oposta, temendo os resultados do isolamento na economia. Desautorizado diariamente pelo chefe, Mandetta resolveu dobrar a aposta e enfrentar publicamente o presidente.

A gota d'água para os palacianos ocorreu quando o ministro deu uma entrevista ao programa Fantástico, da TV Globo, no último domingo (12), em que mais uma vez expôs publicamente a divergência com o chefe. Entre outras afirmações, criticou a dualidade de discurso, dizendo que o cidadão estava em uma situação complicada, sem saber a quem ouvir, se o ministro ou se o presidente.

"Espero que essa validação dos diferentes modelos de enfrentamento dessa situação possa ser comum e que a gente possa ter uma fala única, uma fala unificada. Porque isso leva para o brasileiro uma dubiedade. Ele não sabe se escuta o ministro da saúde, se escuta o presidente, quem é que ele escuta", disse o ministro, na ocasião.

Quatro dias depois de a entrevista ir ao ar, após muita tensão nos bastidores, reuniões e troca de críticas de lado a lado, deu-se a demissão, nas palavras de Mandetta. Ou o "divórcio Consensual", nas de Bolsonaro.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

Veja também

Acervo da Uerj ganha dois fósseis de nova espécie de crocodiliformes
Ciência

Acervo da Uerj ganha dois fósseis de nova espécie de crocodiliformes

Leitura pode reduzir a pena na prisão, mas ainda há desafios
Educação

Leitura pode reduzir a pena na prisão, mas ainda há desafios