Violência

Discussão entre major da PM e agente penitenciário acaba em tiroteio e deixa dois mortos

Outras cinco pessoas ficaram feridas na confusão, que aconteceu em um bar em Boa Viagem

Polícia Militar foi acionada após tiroteio em bar localizado em Boa ViagemPolícia Militar foi acionada após tiroteio em bar localizado em Boa Viagem - Foto: Divulgação/PM

Uma discussão entre um major da Polícia Militar e um agente penitenciário, na noite deste sábado (5), resultou em tiroteio e deixou dois mortos e cinco feridos. O fato aconteceu em um bar localizado na rua Professor José Brandão, em Boa Viagem, Zona Sul do Recife. 

Ao chegar ao local da ocorrência, os policiais do 19º BPM já encontraram um homem sem vida. Os feridos foram socorridos para hospitais da Capital, mas um outro homem não resistiu aos ferimentos e faleceu na unidade de saúde. Segundo informações, o fato teria começando com uma discussão entre o major da PM Dinamérico Barbosa da Silva Filho e o agente penitenciário Ricardo de Queiroz Costa. Ambos sacaram suas armas de fogo e efeturaram vários disaros no local.  

As identidades das vítimas não foram divulgadas pela polícia. No local da ocorrência, foram apreendidos uma pistola cal. 9mm; três carregadores de G2C; vinte e quatro munições cal.9mm; uma pistola cal. 40; uma pistola cal. 380; um carregador de pistola 638; e quinze munições de cal. 380.

Todo o material apreendido foi encaminhado para o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), que irá conduzir as investigações da ocorrência. Além disso, os agentes públicos  envolvidos  terão que enfrentar os procedimentos internos previstos pelo regulamento de suas respectivas corporações. A Corregedoria Geral da Secretária de Defesa Social foi acionada e está investigando a ocorrência.

Veja também

Fiocruz detecta variantes do coronavírus em três regiões do País
Variantes

Fiocruz detecta variantes do coronavírus em três regiões do País

Califórnia destina 40% das vacinas aos mais pobres em preocupação crescente com desigualdade
EUA

Califórnia destina 40% das vacinas aos mais pobres em preocupação crescente com desigualdade