Petróleo

Disparada de petróleo leva diferentes países a adotar medidas para conter alta de combustíveis

Subsídios e impostos são algumas adaações adotadas para reduzir o impacto do aumento da commodity

Navio petroleiro Navio petroleiro  - Foto: Pexels

A cotação do barril de petróleo passou de US$ 130 na abertura dos mercados nesta segunda-feira (7), diante do risco de proibição da importação por Estados Unidos e da Europa ao produto russo, como mais uma retaliação a Moscou diante da invasão da Ucrânia.

O salto no preço da commodity aumenta a pressão sobre governos do mundo inteiro que, desde o ano passado, antes mesmo do início do conflito,  já buscavam maneiras de amenizar o impacto da alta do petróleo em suas economias.

Subsídio, resevas de controle, criação de fundos, impostos são algumas das medidas adotadas. A maioria delas tem implementação temporária, mas pode se estender diante da guerra.

No Brasil, especialistas dizem que medidas precisam ser adotadas, mas temem que pressão do ano eleitoral possa levar a decisões equivocadas que impliquem em retrocessos no setor, leia na reportagem completa para disponível para assinantes.

Veja também

Nicolelis anuncia polo inédito de neurotecnologia para reabilitação de pacientes em Milão
CIÊNCIA

Nicolelis anuncia polo inédito de neurotecnologia para reabilitação de pacientes em Milão

Rádio na Amazônia pode ser aliada no combate a desigualdades
comunicação

Rádio na Amazônia pode ser aliada no combate a desigualdades