guerra

Disparar contra hospitais na Ucrânia é "um crime de guerra", diz alta funcionária da ONU

O presidente ucraniano relatou que 38 pessoas morreram, incluindo quatro crianças, e 190 ficaram feridas durante os ataques com 40 mísseis

ONUONU - Foto: Charly Triballeau/AFP

Disparar contra hospitais é um "crime de guerra", afirmou uma alta funcionária das Nações Unidas durante uma reunião de emergência do Conselho de Segurança nesta terça-feira (9), após um ataque fatal contra centros de saúde na Ucrânia atribuído à Rússia.

"Dirigir ataques intencionalmente contra um hospital protegido é um crime de guerra e os perpetradores devem ser responsabilizados. (...). Estes incidentes fazem parte de um padrão alarmante de ataques sistemáticos contra centros de saúde e outras infraestruturas civis na Ucrânia", disse Joyce Msuya, subsecretária interina da ONU para assuntos humanitários.

O presidente ucraniano, Volodimir Zelensky, relatou que 38 pessoas morreram, incluindo quatro crianças, e 190 ficaram feridas durante os ataques com 40 mísseis que atingiram várias cidades e vilas.

A capital ucraniana está de luto nesta terça-feira após os bombardeios russos que destruíram o maior hospital pediátrico do país, com um saldo que pode aumentar à medida que os escombros são removidos.

O bombardeio do hospital infantil de Okhmatdyt chocou a Ucrânia após mais de dois anos de guerra iniciada com a invasão russa em fevereiro de 2022. O ataque também foi condenado pelos aliados ocidentais de Kiev.

A prefeitura decretou um dia de luto na capital, onde as bandeiras foram hasteadas a meio mastro e os eventos de entretenimento foram adiados.

Segundo o governo ucraniano, um míssil de cruzeiro russo Kh-101 atingiu o hospital pediátrico, embora a Rússia afirme que o ataque tenha sido provocado pelos sistemas de defesa aérea ucranianos.

Moscou reiterou nesta terça-feira que as forças russas atacam apenas infraestruturas militares.

Veja também

Novo vídeo mostra momento em que jovem abre fogo contra Donald Trump e é morto segundos depois
estados unidos

Novo vídeo mostra momento em que jovem abre fogo contra Donald Trump e é morto segundos depois

Jovem de 20 anos é identificado como atirador que tentou matar Trump
Estados Unidos

Jovem de 20 anos é identificado como atirador que tentou matar ex-presidente Donald Trump

Newsletter