Ditador do Turcomenistão proíbe o uso da palavra coronavírus no país

A proibição vale tanto para publicações oficiais como para a imprensa independente -que quase não existe no país- e até mesmo para indivíduos

Ditador do Turcomenistão, Gurbanguly Berdymukhamedov Ditador do Turcomenistão, Gurbanguly Berdymukhamedov  - Foto: Reprodução

A atual pandemia de coronavírus já contaminou mais de 800 mil pessoas no mundo e deixou 39 mil mortos, mas no Turcomenistão o problema não existe –pelo menos, segundo a versão oficial Nesta terça-feira (31), o ditador Gurbanguly Berdymukhamedov baniu o uso da palavra coronavírus no país.

A proibição vale tanto para publicações oficiais como para a imprensa independente -que quase não existe no país- e até mesmo para indivíduos. A polícia pode prender, por exemplo, qualquer pessoa que use a palavra em algum local público, mesmo que seja apenas durante uma conversa com amigos.

Berdymukhamedov, 62, comanda o país desde 2007 e já tinha banido o uso de outras palavras da imprensa oficial, incluindo "problema". Conhecido por suas excentricidades, o ditador era o dentista de seu antecessor no cargo, que o chamou para ministro da Saúde antes de morrer, em 2006.

Leia também:
Mundo passa de 800 mil casos confirmados do coronavírus
Desemprego aumentou antes de pandemia do novo coronavírus crescer


Ele tem uma verdadeira obsessão por cavalos, a ponto de decorar todo seu gabinete com motivos equinos, e adora videoclipes com estética dos anos 1980 e 1990 -a ponto de estrelar vários vídeos que imitam esse período.

Localizado na Ásia Central, o Turcomenistão é um ex-integrante da União Soviética e um dos países mais fechados do planeta, sendo muitas vezes comparado à Coreia do Norte.

O país é o último colocado no ranking de liberdade de imprensa feito pela ONG Repórteres Sem Fronteiras e o penúltimo no ranking de liberdade global feito pela Freedom House, entidade com sede em Washington.

Organizações de direitos humanos já denunciaram o regime de Berdymukhamedov pelo desaparecimento de dissidentes e por fraudes eleitorais -na sua última reeleição, em 2017, ele recebeu 97.69% dos votos.

A internet no país também é controlada e o acesso a sites independentes é proibido. Além disso, a entrada de estrangeiros é bastante restrita. Assim, ninguém sabe ao certo se os dados divulgados pelo regime, de que não há nenhum caso confirmado de coronavírus no Turcomenistão, de fato estão certos.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Reverendo afirma que fala sugerindo conversa com Bolsonaro era 'bravata'
CPI da Covid

Reverendo afirma que fala sugerindo conversa com Bolsonaro era 'bravata'

EUA destaca seu papel na vacinação mundial anticovid em meio ao aumento da variante Delta
Coronavírus

EUA destaca seu papel na vacinação mundial anticovid em meio ao aumento da variante Delta