internacional

Ditadura bielorrussa acusa opositora de ameaça à segurança nacional

Detida desde a semana passada quando frustrou tentativa de ser expulsa do país, Maria Kalesnikava pode pegar até 5 anos de cadeia

Protestos em BelarusProtestos em Belarus - Foto: TUT.BY / AFP

Uma das principais líderes da oposição à ditadura da Belarus, a flautista Maria Kalesnikava foi oficialmente acusada nesta quarta-feira (16) de "ameaçar a segurança nacional usando meios de comunicação e internet", segundo o Comitê Investigativo do regime. Se for considerada culpada, ela pode pegar até cinco anos de prisão.

Kalesnikava, 38, foi uma das três mulheres da principal candidatura contra o ditador Aleksandr Lukachenko na eleição presidencial, que ocorreu em 9 de agosto.

Desde que irromperam os protestos contra o resultado, que deu mais de 80% dos votos ao ditador, ela vinha participando de manifestações e do conselho criado para negociar uma transição pacífica e novas eleições.

Na semana passada, porém, Kalesnikava foi presa pela ditadura após frustrar uma tentativa de ser retirada à força da Belarus. Ela rasgou seu passaporte para impedir a entrada na Ucrânia. Desde então, ela está detida.

Dos 7 líderes do conselho de transição, 6 foram detidos ou expulsos da Belarus. A única ainda no país é a escritora Svetlana Aleksiévich, prêmio Nobel de Literatura em 2015.

A Procuradoria Geral bielorrussa também abriu no final de agosto um processo criminal contra o conselho, por tentativa de tomar o poder do Estado e ameaças à segurança nacional.

Kalesnikava, por sua vez, também pediu a abertura de um processo contra o regime, por ameaças de morte e violência psicológica. Segundo ela, durante a tentativa de levá-la para a Ucrânia, agentes de Lukachenko disseram que iriam tirá-la da Belarus "viva ou aos pedaços".

Apesar da repressão crescente contra os opositores, Lukachenko tem enfrentado manifestações diárias por sua renúncia desde 9 de agosto. Ele nega, porém, que tenha fraudado as eleições, e diz que não deixará o cargo.

"Tivemos a votação e obtivemos o resultado. É hora de parar de agitar a sociedade", afirmou em discurso nesta quarta. A jornalistas russos na semana passada, ele disse que as manifestações eram patrocinadas por "países ocidentais".

O argumento de que a Otan (aliança militar de países europeus e norte-americanos) tenta desestabilizar seu regime tem sido usado por Lukachenko para conseguir apoio do presidente russo, Vladimir Putin.

Em encontro dos dois na Rússia nesta segunda, Putin prometeu socorrer a endividada Belarus com um empréstimo de US$ 1,5 bilhão e defendeu que o conflito atual seja defendido internamente. Para analistas, o presidente russo deve se aproveitar do enfraquecimento de Lukachenko para aumentar seu controle sobre o país vizinho, no qual tem interesses geopolíticos e econômicos.

Veja também

Professores repudiam reabertura das escolas em ato simbólico no Recife
Protesto

Professores repudiam reabertura das escolas em ato simbólico no Recife

Vacinação contra febre aftosa já imunizou 166 milhões de animais
Campanha

Vacinação contra febre aftosa já imunizou 166 milhões de animais