Diversidade de bons resultados

Escolas de Orobó e Flores garantem melhores notas de Língua Portuguesa e Matemática na avaliação do Saepe

Relação próxima entre funcionários e alunos é marca na Abílio de Souza Barbo­­­saRelação próxima entre funcionários e alunos é marca na Abílio de Souza Barbo­­­sa - Foto: Geyson Magno/Divulgação

Todos os anos, a rede estadual de ensino promove as provas do Saepe, o Sistema de Avaliação da Educação de Pernambuco. Os resultados de 2015, que servem como parâmetro para que a Secretaria de Educação do Estado (SEE) e as Gerências Regionais de Educação (GRE) realizem os trabalhos de acompanhamento e intervenção em cada escola, comprovam que a diversidade é, hoje, uma grande marca na educação pernambucana. Os melhores resultados do Ensino Médio, nas provas de Língua Portuguesa e Matemática, foram alcançados por escolas do interior, de cidades de pequeno porte.


É de Orobó, no Vale do Capibaribe, município com menos de 25 mil habitantes, que vem a escola campeã no Saepe 2015. A Escola de Referência em Ensino Médio Abílio de Souza Barbosa desbancou todas as outras a partir de um trabalho focado na interdisciplinaridade. Que vem desde antes da escola adotar a educação em tempo integral e que já se tornou referência no estado. “Antes mesmo de passar para escola de referência, já éramos referência em nível regional e até mesmo de Pernambuco. Já tínhamos um nível de resultados muito bom”, garante a gestora da Abílio, Maria Lúcia Duarte de Oliveira.

A escola de Orobó segue à risca as diretrizes da política educacional do Estado, investindo forte na formação continuada dos professores, com foco especial no trabalho com os descritores, na realização de diversos projetos pedagógicos e no fortalecimento das relações entre professores e alunos, aproveitando da melhor forma possível o tempo maior que a educação em tempo integral proporciona. “A escola, hoje, tem uma credibilidade muito maior em relação à comunidade. Depois que a gente passou a ser de referência, de passar o dia todo com os alunos e os resultados melhorarem, tem aumentado muito a confiança. Isso vem, também, pela conversa constante que temos com a comunidade. Um trabalho de formiguinha, diário e continuado”, avalia a coordenadora pedagógica da Abílio, Marisa Barreto Limeira.

O trabalho que tem feito a diferença em favor da Abílio nas avaliações externas acaba de deixar de ser um “segredo” para ser usado, inicialmente, na GRE Vale do Capibaribe, mas com a possibilidade de passar para toda a rede. É um método para trabalhar com os indicadores do Saepe nas diversas áreas do ensino, elaborado pela professor de Português, Jaqueline Santos. “A gente quer o aluno bem, mas não adianta se não tiver esse trabalho com o professor também. Trabalhando esses itens a gente consegue melhorar o desempenho dos alunos na questão da leitura. Aí elaboramos uma situação didática, de formar o professor primeiro, para depois chegar aos alunos, ajudando nas outras disciplinas”, explica Jaqueline.

Regular
Se a Abílio de Souza Barbosa, de Orobó, dispõe dos diferenciais que a educação integral garante às EREM, o desempenho da Escola Dario Gomes de Lima, no Sertão do Pajeú, pode ser considerado ainda mais surpreendente. Localizada no distrito de Fátima, no município de Flores, a escola atende aos cerca de 5 mil habitantes de uma localidade que sequer possui uma estrada de acesso asfaltada – é preciso percorrer 6 km em uma estrada de terra para chegar até lá. É uma unidade regular, mas é justamente por tentar proporcionar aos alunos o maior tempo possível dentro do ambiente escolar, que a Dario Gomes tem obtido boas notas no Saepe.

É no contra-turno que os alunos têm a oportunidade de fazer aulas de reforço, como preparação para as avaliações, de fazer aulas de computação ou mesmo de reforçar a relação com a escola. Tudo isso graças à compreensão e à ajuda das famílias de Fátima. “Só dá certo porque a escola tem essa ajuda da família, da comunidade em si. Até mesmo de quem não tem filho e vem ajudar a escola. Aqui a escola é de zona rural e tem muitos alunos que moram nos sítios. Os pais alugam mototáxis pra trazer esses alunos. Eles passam o dia na escola, damos almoço a eles e, durante a tarde, temos gru­pos de estudo”, explica a gestora Ana Lúcia Xavier Cavalcanti.

A escola foi construída no início do primeiro Governo Eduardo Campos e possui uma ótima estrutura. Antes, as aulas eram divididas em cinco anexos distribuídos pelo distrito, em locais que não eram muito apropriados para receber os estudantes. Hoje, é uma espécie de oásis dentro da localidade. “Eles falam que têm orgulho de uma comunidade como essa ter uma escola que é modelo. Tanto nos resultados quanto na estrutura do prédio. Eles têm orgulho do tratamento que os professores e funcionários dão aos filhos deles. Eles percebem que a gente quer o bem dos meninos”, observa Ana.

 

 

Veja também

Pesquisa comprova eficiência de telas de vidro ou acrílico contra Covid em salas de aula
Coronavírus

Pesquisa comprova eficiência de telas de vidro ou acrílico contra Covid em salas de aula

Professores deliberam sobre greve da rede estadual em assembleia nesta sexta-feira (23)
Educação

Professores deliberam sobre greve da rede estadual em assembleia nesta sexta-feira (23)