SAÚDE

DNA de pessoas insensíveis à dor ajuda pesquisa de nova droga no Brasil

USP começa a desenvolver analgésico inspirado em proteínas encontradas em pacientes com transtorno nervoso raro

Foto: Ed Machado/Folha de Pernambuco

Um grupo de cientistas da Universidade de São Paulo (USP) está usando informações do DNA de pessoas insensíveis à dor para desenvolver uma nova classe de medicamento analgésico. Estudando mutações genéticas encontradas em indivíduos com essa característica, o grupo conseguiu criar uma molécula sintética que foi capaz de controlar a dor nos primeiros testes com roedores.

O medicamento candidato ainda precisa ser mais estudado antes de ser testado em humanos, mas o sucesso obtido pelo trabalho de pesquisa básica ganhou a capa da revista Science Signaling, referência na área. O trabalho foi destacado como caminho promissor para novas drogas contra dor crônica, em sua maioria refratária a tratamentos disponíveis, como os opioides.

A pesquisa da USP foi coordenada pela biomédica Deborah Schechtmann, professora do Instituto de Química, numa jornada que durou cerca de três anos e começou com a identificação de mutações em pacientes com insensibilidade à dor de origem genética, um problema raro.

— Você pode achar ruim sentir dor, mas ela te protege. Alguns pacientes que possuem esse problema e são incapazes de senti-la podem se queimar sem perceber. Alguns deles quebram ossos e não percebem. Nesse caso específico, de origem genética, eles também não suam e alguns têm problema de desenvolvimento neural — explica a cientista.
 

Já se sabia que as reações envolvidas no processo de sensação dolorosa estão relacionadas a uma molécula chamada NGF (fator de crescimento neural). Essa proteína, porém, está implicada em muitas “vias de sinalização” (sequências de reações bioquímicas no organismo). É difícil para um medicamento interferir em seu funcionamento sem causar efeitos colaterais.

Buscando casos de insensibilidade à dor na literatura cientifica mundial, a bioquímica Beatriz Moraes, coautora do estudo, achou referências a 231 pessoas com essa condição genético. Estudando aqueles que tinham mutações num gene específico, o TrkA, os cientistas viram que algumas alterações nessa proteína interferem na via de percepção da dor mas não parecem afetar o desenvolvimento neural dos portadores.

O próximo passo foi entender quais mudanças estruturais a proteína codificada por esse gene poderia sofrer como resultado de mutações.

Com colaboração do Laboratório Nacional de Biociências, de Campinas, as pesquisadoras criaram modelos da estrutura das proteínas anômalas e depois escolheram uma delas para sintetizar uma molécula menor, com estrutura parecida. A ideia era fazer com que esse peptídeo (proteína simplificada) interferisse em reações químicas que controlam a transmissão da dor em nervos.

Testes em cobaias

Para saber se a ideia funcionaria, Moraes testou essa molécula em células, para ver seu efeito em escala menor, depois em camundongos vivos. Sob efeito do peptídeo, os animais perderam a sensibilidade à dor e não tiveram efeitos colaterais aparentes.

Camila Dale, pesquisadora do Instituto de Ciências Biomédicas da USP, participou das pesquisas e se diz entusiasmada. Segundo ela, ainda é preciso encontrar uma formulação adequada para administrar o peptídeo em forma de droga para humanos, mas os resultados o qualificam como bom candidato a tratar dor crônica.

— Opioides são bons para tratar dor aguda, como dor pós-operatória, mas quando você precisa usar a longo prazo, eles não são drogas boas — explica a cientista. — Não existem boas drogas candidatas hoje para as pessoas com dor crônica. Nesses casos usamos drogas que servem para outras coisas, como antidepressivos e anticonvulsivantes, por exemplo. Mas acreditamos que essa nova molécula possa ser uma candidata para modificar a forma de tratar dor crônica — diz.

Dale e Schechtman continuam a colaboração entre os dois institutos agora para levar adiante o desenvolvimento da pesquisa. A ideia é entender melhor como a molécula que resultou desse primeiro estágio de pesquisa atua no organismo e como ela pode ser reformulada para ser administrada de outras formas, porque isso pode qualificá-la para testes em humanos no futuro.

Veja também

Justiça russa confirma condenação do opositor Navalny a nove anos de prisão
Rússia

Justiça russa confirma condenação do opositor Navalny a nove anos de prisão

Guerra na Ucrânia completa três meses com avanço russo na região de Lugansk
90 dias de guerra

Guerra na Ucrânia completa três meses com avanço russo na região de Lugansk