Dois bairros do Recife receberão intervenção urbana visando às crianças

As ações estão previstas para começar no final de abril e terá o prazo de 15 meses.

Do Alto Santa Terezinha, é possível enxergar outros bairros do RecifeDo Alto Santa Terezinha, é possível enxergar outros bairros do Recife - Foto: Arquivo/Folha de Pernambuco

Os bairros da Iputinga e o Alto Santa Terezinha, respectivamente, nas zonas Oeste e Norte do Recife, serão beneficiados com intervenções urbanísticas voltadas para as crianças. A Fundação Bernard Van Leer, de origem holandesa, é referência mundial em políticas para a primeira infância (até seis anos) e doará R$ 3,5 milhões para o projeto. As ações estão previstas para começar no fim de abril e terá o prazo de 15 meses.

Os locais foram escolhidos por causa do baixo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), alto nível de vulnerabilidade social e a baixa renda. As intervenções visam a melhorar os espaços públicos para as crianças, com ações de melhoria da iluminação, adequação de velocidade de automóveis, acessibilidade das calçadas, adaptação das paradas de ônibus, construção de parques e requalificação de praças. O projeto pretende impactar positivamente o desenvolvimento cognitivo, saúde e sócioemocional das crianças.

Leia também
Compaz no Alto Santa Terezinha receberá Câmara de Conciliação


A fase da primeira infância é de até 6 anos. Segundo o representante da Fundação Bernard Van Leer na América Latina, Leonardo Yánez, “a violência na vida da criança afeta no desenvolvimento normal do cérebro. A violência doméstica, contra a mulher, tem um impacto na infância”, observou.

Yánez explicou que a influência das intervenções urbanísticas nesta fase foi um descobrimento recente para a fundação. “Achamos em pesquisa que havia elementos estruturais da cidade que têm impacto grande sobre a violência e o comportamento humano”, comentou. O fundador utilizou a teoria das janelas quebradas para explicar a importância da intervenção. “Quando a comunidade está quebrada, janelas quebradas e lixos na rua, a criminalidade está crescendo. Já quando você tem espaços limpos, cuidados, a atividade criminosa está baixa”, ressaltou.

O prefeito do Recife, Geraldo Julio, afirmou que na Iputinga o projeto alcançará uma área com três escolas próximas: Creche Casa Azul, Escola Municipal Casarão do Barbalho e Escola Municipal Diná de Oliveira. Nessa área, aproximadamente 1.130 crianças circulam todos os dias. Já no Alto Santa Terezinha, a intervenção será no entorno do Compaz Eduardo Campos, frequentado anualmente por cerca de 90 mil pessoas. “Essa experiência é para melhorar o espaço para que as crianças acessem melhor as escolas, creches e equipamentos públicos de educação”, comentou. De acordo com Geraldo, o projeto lida com dois fatores importantes para a primeira infância: o espaço urbano e a educação.

Geraldo informou que o projeto também envolve a segurança. “Não é só colocar o policiamento, mas a iluminação, a circulação e visibilidade. Tudo isso faz parte de um ambiente melhor para as pessoas se sentirem seguras”. De acordo com ele, a distribuição da verba irá um pouco mais para o Alto Santa Terezinha e será para requalificação de praças e calçadas.

Atualmente, segundo a Prefeitura, o Recife possui 230 projetos e programas voltados para a primeira infância e deverá ganhará uma lei municipal. O objetivo do marco legal vai conduzir as políticas públicas voltadas ao público de 0 a 6 anos. “Será uma lei municipal que agregará toda e qualquer ação que a prefeitura tenha na área da primeira infância numa lógica estratégica. A prefeitura já faz muitas ações na primeira infância, mas acontecem separadas por secretarias”, afirmou o secretário de Planejamento, administração e gestão da pessoa, Jorge Vieira.

Veja também

Oposição reage contra decreto que estuda gestão privada de unidades básicas de saúde
saúde

Oposição reage contra decreto que estuda gestão privada de unidades básicas de saúde

Avaliação terá menos participantes por sala devido à pandemia
Enem 2020

Avaliação terá menos participantes por sala devido à pandemia