Dólar sobe 0,970% e vai ao recorde de R$ 5,873 com vídeo de Moro e Bolsonaro

Dentre emergentes, o real foi a moeda emergente que mais perdeu valor na sessão

Dólar opera em alta Dólar opera em alta  - Foto: Paullo Allmeida/Folha de Pernambuco

A exibição do vídeo da reunião ministerial de 22 de abril do governo de Jair Bolsonaro, ainda sob sigilo, na Polícia Federal em Brasília levou o dólar a um novo recorde nominal (sem contar a inflação) nesta terça-feira (12).

A moeda americana, que operou boa parte do pregão em queda, passou a subir por volta das 15h, com a repercussão do vídeo, e fechou em alta de 0,970%, a R$ 5,873, segundo cotação da CMA. O turismo está a R$ 6,012.

Leia também:

BC vende US$ 54 bi em 9 meses para tentar conter alta do dólar

CNI projeta queda de 4,2% na economia este ano 

Dentre emergentes, o real foi a moeda emergente que mais perdeu valor na sessão, na qual o dólar chegou a R$ 5,8870 na máxima. No ano, a divisa brasileira é a que mais se desvaloriza no mundo ante o dólar, que acumula alta de 46% no Brasil.

Em termos reais (corrigidos pela inflação), porém, a moeda não supera a sua máxima de 2002. Naquele ano, entre o primeiro e o segundo turno das eleições que levaram Lula à Presidência, a moeda dos EUA foi ao recorde de R$ 4,00 durante o pregão - fechou a R$ 3,99. Hoje, corrigido pela inflação brasileira e americana, esse valor equivale a cerca de R$ 7,86.

Em depoimento à PF, o ex-ministro da Justiça Sergio Moro afirmou que, na reunião ministerial, da qual participaram ministros e o presidente, Bolsonaro cobrou a substituição do superintendente do Rio e do então diretor-geral da polícia, Maurício
Valeixo, além de relatórios de inteligência e informação da corporação.

Segundo a defesa de Moro, a gravação confirma "integralmente" as declarações dele
sobre as interferências do presidente Jair Bolsonaro na Polícia Federal.

De acordo com pessoas que tiveram acesso à gravação, o presidente vinculou a mudança do superintendente a uma proteção de sua família e teria afirmado que os familiares estariam sendo perseguidos.

Bolsonaro também teria dito que não poderia ser surpreendido com informações da PF e que então trocaria, se fosse necessário, o comando da PF e até o ministro da Justiça, na ocasião, Sergio Moro.

A defesa de Moro pediu que o vídeo seja levado a público, o que depende do ministro Celso de Mello, do STF (Supremo Tribunal Federal).

Na segunda (11), Bolsonaro defendeu que tornar público toda a gravação não seria adequado porque teriam sido tratados assuntos sensíveis no encontro.

O temor do Executivo é que o vídeo gere uma crise institucional. Além das possíveis intimidações a Moro, ministros presentes teriam feito duras críticas ao Supremo ao
Congresso.

"A efervescência política contaminou o mercado mais uma vez. A sessão se mostrava de relativa estabilidade, até o surgimento da possibilidade de revelação de novo evento político. O agravamento do clima beligerante entre os Poderes aumenta o risco no Brasil", diz Ilan Arbetman, analista da Ativa Investimentos.

A Bolsa brasileira, que chegou a subir 1,60% no pregão, fechou em queda de 1,51%, a 77.871 pontos.

A desvalorização não foi maior pela estabilidade, a R$ 18,14, das ações preferenciais (mais negociadas) da Petrobras, impulsionadas pela alta do petróleo. O barril de Brent sobe 1%, a US$ 29,95.

Nos Estados Unidos, as Bolsas fecharam em queda após Anthony Fauci, especialista em doenças infecciosas renomado dos Estados Unidos e membro da força-tarefa anticoronavírus de Donald Trump, alertar o Congresso que uma suspensão prematura dos isolamentos pode provocar surtos adicionais do coronavírus.

Dow Jones caiu 1,89%, S&P 500, 2,05% e Nasdaq, 2,06%.

Segundo Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas, os estados americanos deveriam seguir as recomendações dos especialistas de saúde para esperar sinais, como um declínio no número de infecções novas, antes de reabrirem.

O presidente Trump vem incentivando a reabertura de setores importantes da economia.

Também contribuiu para o viés negativo a proposta do senador republicano Lindsey Graham de autorizar o presidente Trump a impor sanções a China, caso o país não forneça um relato completo dos eventos que levaram ao surgimento do novo coronavírus.

O senador, um aliado próximo do presidente Donald Trump, disse estar convencido de que, se não fosse por "engano" pelo Partido Comunista Chinês, o vírus não estaria nos EUA, onde já matou mais de 80.000 americanos. 

Veja também

Reverendo afirma que fala sugerindo conversa com Bolsonaro era 'bravata'
CPI da Covid

Reverendo afirma que fala sugerindo conversa com Bolsonaro era 'bravata'

Recife solicitará vacina contra a Covid-19 para menores de 18 anos ainda em agosto
Imunização

Recife solicitará vacina contra a Covid-19 para menores de 18 anos ainda em agosto