Donos de boxes afetados por explosões em bancos de Porto poderão vender produtos na calçada

Um bingo deve ser realizado para ajudar os comerciantes

Banco do Brasil de Porto de Galinhas ficou destruídoBanco do Brasil de Porto de Galinhas ficou destruído - Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

Os oito comerciantes que tiveram seus boxes destruídos com a explosão da agência e caixas do Banco do Brasil, na madrugada da última sexta-feira (3), em Porto de Galinhas, no litoral Sul de Pernambuco, receberam autorização especial para comercializar seus produtos na calçada da feirinha já a partir desta terça-feira (6). A decisão foi divulgada depois de reunião na Secretaria de Turismo e Cultura do Ipojuca, nesta segunda (6), para tratar dos prejuízos causados pela ação criminosa.

Ainda nesta terça, o prefeito Irmão Ricardo terá reunião com os comerciantes da feirinha para discutir sobre a recuperação dos boxes e outras medidas que possam ser adotadas. Uma dessas medidas já acertada é a realização de bingo em favor dos comerciantes prejudicados com a explosão. O bingo está sendo articulado junto à Associação de Hotéis, Pousadas e Restaurantes de Porto de Galinhas. A ideia é contar com apoio de artistas, que podem doar obras como prêmios para o bingo.

Sem previsão de reabertura da agência, a Secretaria de Turismo e Cultura propôs ao gerente do Banco do Brasil (BB) ceder salas da Secretaria para que funcione temporariamente no atendimento sem movimentação financeira. Todas as operações com movimentação financeira poderão ser feitas através do Banco Postal dos Correios.

A prefeitura de Ipojuca ainda prometeu buscar a administração dos caixas de Banco 24 Horas para solicitar a instalação de caixas emergenciais em Porto de Galinhas. Além do BB, a agência da Caixa Econômica Federal teve o cofre explodido pelos bandidos, mas os caixas eletrônicos estão em condições de funcionar.

Veja também

Anvisa atualiza exigências para armazenamento de vacina da Pfizer
Coronavírus

Anvisa atualiza exigências para armazenamento de vacina da Pfizer

Governo negocia com a Pfizer mais 100 milhões de doses de vacina contra Covid
Vacina

Governo negocia com a Pfizer mais 100 milhões de doses de vacina contra Covid