Doria nega autenticidade de vídeo, contrata perito e diz que acionará Justiça

Um vídeo circula nas redes sociais insinua que ele apareceria numa orgia

João Doria (PSDB) João Doria (PSDB)  - Foto: Nelson Almeida / AFP

O candidato a governador de São Paulo João Doria (PSDB) negou a autenticidade de um vídeo que circula nas redes sociais em que ele aparece em uma orgia.

"Uma produção grotesca, fake news. Pedi a um perito criminal que verificasse essas imagens. Pedi também medidas judiciais criminais contra os autores desse vídeo", afirmou o tucano em vídeo gravado ao lado da mulher, Bia Doria.

O candidato disse que as imagens foram produzidas por "alguém que só quer seu mal". "Não imaginei que pelo fato de estarmos liderando a campanha, o vale-tudo começasse, principalmente nesse nível nos últimos dias", afirmou.

"Lamento muito que a campanha em São Paulo tenha chegado a essa nível, de ferir a nossa família, de ferir o conceito que eu sempre preservei."

Após a publicação de uma nota pelo jornal "O Globo" em que a campanha de Doria acusava o adversário pelo vídeo, o governador Márcio França (PSB) negou autoria.

"É lamentável que Doria nos faça essa acusação, que chega a ser quase tão grave quanto a violência de que ele é vítima", afirmou França. "Repudiamos tanto a declaração do candidato, quanto a divulgação desse tipo de vídeo. São Paulo não merece esse constrangimento. Doria não deve medir os outros com a sua régua."
No vídeo em que refuta a autenticidade das imagens, Doria lembra que é casado com Bia há 26 anos e tem três filhos. Ao final da gravação, ela o abraça.

O tucano ainda menciona o candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL), líder na disputa nacional.

"Ele também tem sofrido ataques de todos os tipos. Nós resistiremos. Ao defender São Paulo e o Brasil, defendemos a nossa família."

Às 17h20, Doria liderava o ranking de assuntos mais comentados no Twitter no mundo, com 157 mil postagens.

Veja também

STF rebate Bolsonaro e afirma que não proibiu governo federal de atuar contra pandemia
Justiça

STF rebate Bolsonaro e afirma que não proibiu governo federal de atuar contra pandemia

Mais de 70 pacientes já foram transferidos de Manaus para outros estados
Pandemia

Mais de 70 pacientes já foram transferidos de Manaus para outros estados