Duas pessoas são detidas por desvio de água da Adutora Tabocas

Segundo a Compesa, foram identificadas 35 ligações clandestinas num trecho de cinco quilômetros do aqueduto

Inauguração do comitê da Frente Popular no PaulistaInauguração do comitê da Frente Popular no Paulista - Foto: Hélia Scheppa/PSB

Duas pessoas foram presas em flagrante por furto de água durante nova ação de fiscalização na Adutora Tabocas, que transporta água do Sistema do Prata para abastecer o município de Santa Cruz do Capibaribe, no Agreste do Estado. Apreensões ocorreram nesta quarta-feira (23), de acordo com a Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa).

Segundo a Compesa, foram identificadas 35 ligações clandestinas num trecho de cinco quilômetros do aqueduto, localizado no Sítio Tabocas, distrito de Brejo da Madre de Deus. Uma operação de fiscalização, que conta com o apoio do Ministério Público do Estado e da Polícia Militar, teve início no último dia 17 de novembro.

A operação efetivou a primeira prisão numa propriedade que estava furtando água da adutora para irrigação de uma plantação de coco. A segunda pessoa presa em flagrante fez ligação clandestina para suas propriedades particulares.

A Compesa constatou que houve uma queda de 10% da vazão de água na chegada da adutora à Estação de Tratamento Poço Fundo, em Santa Cruz. As ligações clandestinas estavam retirando uma quantidade de água que correspondia a 10 litros por segundo da vazão da adutora - que tem capacidade de transportar 110 l/s - prejudicando uma população de cerca de 80 mil pessoas, conforme a empresa.

No começo do mês de novembro, uma operação conjunta da Compesa, MP e Polícia Militar de combate ao furto de água fiscalizou outros 15 quilômetros da Adutora Tabocas, após verificar a redução em 30% da vazão no sistema que abastece Santa Cruz do Capibaribe.

Veja também

Em reta final, Trump e Biden levam luta eleitoral à decisiva Flórida
EUA

Em reta final, Trump e Biden levam luta eleitoral à decisiva Flórida

Denúncias contra direitos humanos podem ser feitas via WhatsApp
Redes Sociais

Denúncias contra direitos humanos podem ser feitas via WhatsApp