Golpe

É falso que Ministério da Saúde pré-cadastre para vacinação contra Covid-19 por telefone ou SMS

"O Ministério da Saúde esclarece que não realiza agendamento para aplicação de nenhum tipo de vacina", comentou a pasta

CelularCelular - Foto: Agência Brasil

Golpistas se aproveitam da expectativa pela vacinação contra Covid-19 para enganar cidadãos e obter acesso a aplicativos de mensagens como o WhatsApp e o Telegram, segundo informou o Ministério da Saúde no dia 14 de janeiro.
 
De acordo com publicação da pasta nas redes sociais, os golpistas ligam para os celulares das vítimas e fazem um falso questionário para levar o cidadão a acreditar no golpe e compartilhar com o criminoso um código que dá acesso aos aplicativos de mensagens.
 
A isca usada pelos golpistas é a possibilidade de pré-agendar uma data para a vacinação. A pasta, no entanto, não está agendando datas para a vacinação contra a Covid-19 e não faz ligações para cidadãos.
 
"O Ministério da Saúde esclarece que não realiza agendamento para aplicação de nenhum tipo de vacina, e nem envia códigos para celular dos usuários do SUS (Sistema Único de Saúde). Caso receba solicitação de cadastro, não forneça seus dados e denuncie às autoridades competentes", diz a publicação do ministério nas redes sociais.
 
Outra modalidade do golpe, também sugerindo agendamento para vacinação contra o novo coronavírus, acontece por meio de SMS. A vítima recebe uma mensagem de texto, supostamente do Ministério da Saúde, pedindo para que clique no link e confirme o código para agendar a vacinação. Ao fazer isso, a vítima dá aos golpistas acesso aos seus aplicativos de mensagem.
 
Procurado, o Ministério da Saúde não respondeu aos questionamentos enviados pela reportagem.
 
Vacinação em SP
Nos primeiros dias de janeiro, um texto falso compartilhado em redes sociais e por aplicativos de mensagens apresentava informações imprecisas sobre a vacinação contra a Covid-19 no estado de São Paulo.
 
O texto foi atribuído à rádio CBN, que nega ser responsável pelas informações erradas ou imprecisas.


O falso texto informa que além da vacinação dos profissionais da Saúde, indígenas, quilombolas e idosos com 60 anos ou mais, também seriam vacinados já na primeira fase da campanha de vacinação os idosos com menos de 60 anos e as crianças.
 
A informação é imprecisa
De acordo com o calendário compartilhado pelo governador João Doria (PSDB) durante o Seminário de Gestão Pública para Novos Prefeitos do Estado de São Paulo, transmitido ao vivo na primeira semana de janeiro, serão vacinados apenas os profissionais da saúde, indígenas, quilombolas e idosos com 60 anos ou mais na primeira etapa que, a princípio, estava marcada para começar no dia 25 de janeiro e chegar ao fim no dia 28 de março.
 
O governo estima que a primeira fase de vacinação aplicará as duas doses em 9 milhões de paulistas até o dia 28 de março.

 

Veja também

'É fundamental ter autonomia para sequenciamento genômico de vírus', diz pesquisadora
Entrevista

'É fundamental ter autonomia para sequenciamento genômico de vírus', diz pesquisadora

Saúde autoriza recursos para 3,2 mil leitos de UTI
Coronavírus

Saúde autoriza recursos para 3,2 mil leitos de UTI