É inevitável comparar Bolsonaro com Collor

Bolsonaro é o Collor de 1989 e Haddad é o Lula, sendo que o PT perdeu aquela eleição

Inaldo SampaioInaldo Sampaio - Foto: Colunista

Liderando as pesquisas em 14 estados e no Distrito Federal, Jair Bolsonaro já é o maior fenômeno político dessas eleições. Muito superior a Fernando Haddad, que tem um padrinho político forte, Lula, que lhe está transferindo a maioria dos votos que teria, especialmente no Nordeste, onde lidera em sete dos nove estados. Bolsonaro não tem padrinho político. Ocupou o espaço do antipetismo, que estava destinado a Geraldo Alckmin. No entanto, o PSDB nivelou-se ao PT no escândalo da Lava Jato, empatando o jogo na questão ética. Bolsonaro tem também seu déficit moral, conforme revela a revista “Veja” desta semana. Mas seus eleitores estão pouco se lixando para essas denúncias. Para esses, pouco importa que Bolsonaro seja fascista, que revele desprezo pelas mulheres, pelos negros, pelos índios e pelos homossexuais. Que tenha como ídolo político um torturador (Carlos Alberto Brilhante Ustra) e que tenha convidado para sua assessoria econômica um economista ultraliberal, que defende a privatização do Banco do Brasil, da Caixa, da Petrobrás, da Eletrobrás e de todas as outras empresas do estado brasileiro. Eleitor de Bolsonaro entende que o Brasil chegou ao fundo do poço em matéria fiscal, moral e ética, e que somente o capitão poderá salvá-lo. Collor, quando se candidatou em 1989, também passava essa mesma impressão. E até poderia ter sido um bom presidente se não tivesse afrontado o Congresso e entregue os negócios do governo a PC Farias. Bolsonaro não tem o preparo intelectual do hoje senador alagoano. Mas conseguiu convencer três em cada grupo de 10 brasileiros de que colocar o “17” do PSL no carro ou na lapela dá charme por ele ser o “candidato da moda”, e assim vai garantindo a ida ao segundo turno junto com Haddad. Ele é o “Collor” de 89 e Haddad é o “Lula”, sendo que naquela eleição o PT foi derrotado.

Tanto faz como tanto fez
Dezenas de prefeitos do PSB, não tendo como obrigar que seus eleitores votem em Haddad, os estão “liberando” para votar no candidato do PT ou em Bolsonaro. Isso é a prova de que o PSL cometeu um erro ao não lançar candidato próprio ao Governo de Pernambuco. O presidente Luciano Bivar afirma que o PSL ficaria “isolado”, mas os fatos não lhe dão razão.

Quem são? > Em mais de 80% dos municípios pernambucanos, ninguém fala em Ciro Gomes (PDT), Geraldo Alckmin (PSDB), Marina Silva (Rede) ou Álvaro Dias (Podemos). Só se ouve falar em Haddad (PT) ou Bolsonaro (PSL). É como se os outros candidatos não existissem.

Pra nada > O DER de Pernambuco nunca foi tão criticado como agora devido às más condições das rodovias estaduais. Alega-se que o órgão não tem dinheiro para fazer o conserto das estradas. Então, por que não extinguir logo os distritos regionais, que não servem para nada?

Voto decisivo > Armando Monteiro (PTB) perdeu milhares de votos na área metropolitana por causa do seu voto favorável à reforma trabalhista. Alguns deputados do seu grupo chegam a dizer que ele pode perder a eleição para governador unicamente por causa deste voto.

Cadê a reunião? > Paulo Câmara (PSB) reuniu seus prefeitos numa casa de recepções do Recife só para produzir imagens para o seu horário político. Armando Monteiro (PTB) tem o apoio dos prefeitos de Jaboatão, Igarassu, São Lourenço, Camaragibe, Gravatá, Caruaru, Santa Cruz do Capibaribe, Salgueiro, Araripina e Petrolina, e ainda não fez nada parecido.

Veja também

"Tomem a vacina que a esperança não deixa de acabar", disse a primeira vacinada em Pernambuco
Coronavírus

"Tomem a vacina que a esperança não deixa de acabar", disse a primeira vacinada em Pernambuco

Momento histórico: vacina contra a Covid-19 é aplicada pela primeira vez em Pernambuco
Coronavírus

Momento histórico: vacina contra a Covid-19 é aplicada pela primeira vez em Pernambuco