Notícias

'É positivo que haja movimento de militares que reconheça Guaidó', diz Araújo

Na manhã desta terça-feira, Guaidó foi até a base aérea de La Carlota, em Caracas, para anunciar o apoio de militares dissidentes na luta contra o regime do ditador Nicolás Maduro

Ministro das Relações Exteriores visita Argentina. Ministro das Relações Exteriores visita Argentina.  - Foto: MANDEL NGAN / AFP

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, afirmou nesta terça-feira (30) que é "positivo que haja um movimento de militares na Venezuela que reconheça a constitucionalidade de Juan Guaidó", o auto-proclamado presidente venezuelano. "Precisamos ver a dimensão disso e o Brasil desde o começo apoia o processo de transição democrática", disse Araújo.

Na manhã desta terça-feira, Guaidó e o preso político Leopoldo López, que estava em prisão domiciliar, foram até a base aérea de La Carlota, em Caracas, para anunciar o apoio de militares dissidentes na luta contra o regime do ditador Nicolás Maduro. Ambos os oposicionistas deixaram a base aérea mais tarde, porque o lugar passou a ser alvo de bombas de gás lacrimogêneo lançadas pela Guarda Nacional, alinhada ao regime do ditador Nicolás Maduro. A oposição convocou manifestações contra o ditador.

Leia também:
Bolsonaro convoca reunião de emergência sobre a situação na Venezuela
Presidente da Bolívia condena 'tentativa de golpe' na Venezuela
OEA: secretário-geral diz que apoia adesão de militares contra Maduro


Os chavistas, por sua vez, classificaram a ação de Guaidó e López como uma tentativa de "golpe de Estado". Após se reunir com o ministro do Exterior da Alemanha, Heiko Maas, em Brasília, Araújo disse que o Brasil acompanha a situação "minuto a minuto". "A nossa posição continua sendo a de apoio pelo processo de transição liderado pelo Guaidó, com a expectativa de que todas as forças venezuelanas atendam ao chamado pela democracia", disse o chanceler brasileiro.

Depois de se reunir com o chefe da diplomacia alemã, Araújo também foi questionado se tinha conhecimento das intenções dos oposicionistas venezuelanos de libertarem Leopoldo López, uma vez que o chanceler teve uma agenda com autoridades norte-americanas nesta segunda-feira (29), em Washington.

"Não tínhamos conhecimento a respeito. O que surgiu [nas conversas nos EUA] foi a interpretação de que continua havendo uma perspectiva concreta de chegarmos a uma evolução", disse Araújo, citando a pressão diplomática e as sanções econômicas que foram adotadas contra o regime de Maduro.

Veja também

Deslocados forçados no mundo superam os 100 milhões pela primeira vez, diz ONU
Mundo

Deslocados forçados no mundo superam os 100 milhões pela primeira vez, diz ONU

Biden adverte para impacto 'relevante' da varíola dos macacos
Estados Unidos

Biden adverte para impacto 'relevante' da varíola dos macacos