'É positivo que haja movimento de militares que reconheça Guaidó', diz Araújo

Na manhã desta terça-feira, Guaidó foi até a base aérea de La Carlota, em Caracas, para anunciar o apoio de militares dissidentes na luta contra o regime do ditador Nicolás Maduro

Ministro das Relações Exteriores visita Argentina. Ministro das Relações Exteriores visita Argentina.  - Foto: MANDEL NGAN / AFP

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, afirmou nesta terça-feira (30) que é "positivo que haja um movimento de militares na Venezuela que reconheça a constitucionalidade de Juan Guaidó", o auto-proclamado presidente venezuelano. "Precisamos ver a dimensão disso e o Brasil desde o começo apoia o processo de transição democrática", disse Araújo.

Na manhã desta terça-feira, Guaidó e o preso político Leopoldo López, que estava em prisão domiciliar, foram até a base aérea de La Carlota, em Caracas, para anunciar o apoio de militares dissidentes na luta contra o regime do ditador Nicolás Maduro. Ambos os oposicionistas deixaram a base aérea mais tarde, porque o lugar passou a ser alvo de bombas de gás lacrimogêneo lançadas pela Guarda Nacional, alinhada ao regime do ditador Nicolás Maduro. A oposição convocou manifestações contra o ditador.

Leia também:
Bolsonaro convoca reunião de emergência sobre a situação na Venezuela
Presidente da Bolívia condena 'tentativa de golpe' na Venezuela
OEA: secretário-geral diz que apoia adesão de militares contra Maduro


Os chavistas, por sua vez, classificaram a ação de Guaidó e López como uma tentativa de "golpe de Estado". Após se reunir com o ministro do Exterior da Alemanha, Heiko Maas, em Brasília, Araújo disse que o Brasil acompanha a situação "minuto a minuto". "A nossa posição continua sendo a de apoio pelo processo de transição liderado pelo Guaidó, com a expectativa de que todas as forças venezuelanas atendam ao chamado pela democracia", disse o chanceler brasileiro.

Depois de se reunir com o chefe da diplomacia alemã, Araújo também foi questionado se tinha conhecimento das intenções dos oposicionistas venezuelanos de libertarem Leopoldo López, uma vez que o chanceler teve uma agenda com autoridades norte-americanas nesta segunda-feira (29), em Washington.

"Não tínhamos conhecimento a respeito. O que surgiu [nas conversas nos EUA] foi a interpretação de que continua havendo uma perspectiva concreta de chegarmos a uma evolução", disse Araújo, citando a pressão diplomática e as sanções econômicas que foram adotadas contra o regime de Maduro.

Veja também

Polícia prende duas pessoas sob suspeita de ajudarem 'serial killer do DF' a escapar
serial killer

Polícia prende duas pessoas sob suspeita de ajudarem 'serial killer do DF' a escapar

Brasil reabre fronteira com Venezuela após mais de 1 ano, mas limita entrada
FRONTEIRAS

Brasil reabre fronteira com Venezuela após mais de 1 ano, mas limita entrada