Metrô do Recife

"É uma pena e um desserviço à população a situação em que o metrô está", diz especialista

Paralisações, transtornos, sucateamento e incidentes marcam o cenário do Metrô do Recife

Paralisação da Linha Centro do Metrô do Recife nesta quarta (27)Paralisação da Linha Centro do Metrô do Recife nesta quarta (27) - Foto: Paullo Allmeida/ Folha de Pernambuco

Paralisações, transtornos, sucateamento e incidentes marcam o cenário do Metrô do Recife. O sistema atende a 300 mil passageiros da capital pernambucana e de outros três municípios do Grande Recife, são eles: Jaboatão dos Guararapes, Camaragibe e Cabo de Santo Agostinho. 

De acordo com Francisco Cunha, arquiteto e urbanista pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e militante da mobilidade a pé na cidade do Recife, há pouco tempo, o metrô era considerado um dos melhores em todo o mundo e não tinha os problemas tão frequentes de hoje. Faltam investimento e um olhar mais atento para o equipamento

“É uma pena o metrô estar nessa situação, porque ele, fora o fato de ser de superfície, há pouco tempo atrás, não ficava devendo a metrô nenhum do mundo. Dentro dele você tinha ar-condicionado, as estações eram relativamente bem tratadas e cumpriam um roteiro muito importante na cidade. Ele tinha e tem uma importância enorme. É uma pena e um desserviço à população que precisa se locomover diariamente a situação que o metrô está. É dramática. É hoje um modal de grande importância e se, por um acaso, parar de vez, todo mundo teria um prejuízo enorme”, pontuou. 



Um dia sem funcionamento é um dia de diversos transtornos para a população que depende do equipamento diariamente. A sobrecarga fica nas outras linhas e nos outros transportes coletivos



"Acho isso uma situação gravíssima, porque nós vamos sofrer, o sistema todo sofre. Quando acontece uma coisa dessa com o metrô, e ele entra em processo de degradação, o sistema todo de transporte coletivo sofre. Vai sobrecarregar as outras linhas, os ônibus, vai tirar o passageiro do metrô tradicional e das linhas principais. Nos horários de pico já é uma sobrecarga grande", destacou Francisco.

 


Segundo o arquiteto, não está se alocando recursos suficientes para a manutenção do metrô. “A solução que existe é do governo federal, por conta dessa crise fiscal e do jeito que está sendo levado, ao meu ver de forma irresponsável, não se está alocando os recursos necessários para a manutenção dele. Não tem investimento, vai sucatear os vagões, o material rodante, e daqui a pouco não vai ter nada. O governo federal deveria partir para realizar o que precisa ser realizado, seja para manter como estatal, ou para privatizar como garantia de remuneração da operação”, acrescentou. 

Veja também

G7 quer investir US$ 600 bilhões em programa mundial de infraestruturas, diz Biden
Cúpula dos países ricos

G7 quer investir US$ 600 bilhões em programa mundial de infraestruturas, diz Biden

Pernambuco registra, neste domingo (26), quatro mortes e 545 novos casos de Covid-19
coronavírus

Pernambuco registra, neste domingo (26), quatro mortes e 545 novos casos de Covid-19