Educação como prioridade

A partir desta semana, em todas as edições de segunda-feira, a Folha de Pernambuco publicará uma série de reportagens para contar as histórias que fizeram a educação pública do estado ser considerada uma das melhores do País

Carlos Filho & PACHKA apresentam "Estesia"Carlos Filho & PACHKA apresentam "Estesia" - Foto: Thiago Gullen/Divulgação

Pernambuco passou, nos últimos dez anos, por profundas transformações nos ambientes econômico e social. A chegada de grandes empreendimentos, espalhados do interior do estado aos cais do Complexo de Suape, provocou um surto desenvolvimentista que não era experimentado pelos pernambucanos há décadas. Paralelamente, o Governo do Estado iniciou um forte investimento na área da educação, apostando nas escolas de tempo integral, no ensino técnico, na melhoria da infraestrutura e até mesmo em programas de intercâmbio com o exterior.

Como dizem os próprios gestores da área, ainda há muito o que fazer, mas é impossível desconsiderar os resultados do último Ideb, o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica, criado em 2007, pelo Governo Federal. Se, no primeiro ano em que o indicar foi divulgado, Pernambuco amargava a 21ª posição entre os 27 estados, seis anos depois saltávamos para o 4º lugar, com o melhor desempenho da região Nordeste.

“A educação passou a ser, nos últimos 10 anos, uma das principais prioridades deste Estado. É o coração da estratégia para o desenvolvimento pleno de Pernambuco. Temos consciência que ainda tem muita coisa para ser feita na educação do nosso Estado, do nosso país, mas temos que ter a percepção e a certeza que, aqui em Pernambuco, estamos, sim, avançando. E com um trabalho de todos, coletivo, do gabinete do governador ao chão das escolas. Que envolve Governo, sociedade, professores e estudantes. Se todo mundo der as mãos, a educação vai continuar avançando", comentou o secretário estadual de Educação, Fred Amâncio. Apesar de ser o principal referencial da qualidade do ensino oferecido pelos estados e municípios em todo o País, o Ideb não é o único resultado que explica essa evolução. “Pernambuco tinha a segunda pior taxa de abandono escolar do país, hoje tem a melhor. Recentemente, um estudo produzido por uma uma instituição não-governamental mostrou que nosso estado foi o que mais reduziu a distorção entre idade e série. Outro indicador importante é que Pernambuco era um dos cinco estados onde havia a maior distância entre a média do ensino privado e a média do ensino público. Hoje Pernambuco é o segundo estado em que as médias mais se aproximam”, comemorou o secretário executivo de Planejamento e Coordenação da Secretaria de Educação estadual, Severino Andrade.

Folha resume
De um dos piores colocados no ranking de desempenho escolar do ensino médio, em 2007, Pernambuco assumiu o posto de 4ª melhor educação pública do Brasil, em 2013. Resultado se justifica por ações como a expansão das escolas de educação integral e técnicas, o investimento em infraestrutura e tecnologia e programas como o Ganhe o Mundo.

Veja também

Geraldo Julio sanciona projeto que proíbe acúmulo de função de motoristas e cobradores
Transporte

Geraldo Julio sanciona projeto que proíbe acúmulo de função de motoristas e cobradores

Hospital de Bonsucesso será reaberto parcialmente após incêndio
Rio de Janeiro

Hospital de Bonsucesso será reaberto parcialmente após incêndio