coronavírus

Einstein pede que médicos não prescrevam cloroquina a pacientes com Covid-19

Segundo o hospital, a nova recomendação foi motivada pela decisão da FDA

CloroquinaCloroquina - Foto: Divulgação/MS

O Hospital Israelita Albert Einstein recomendou na quinta-feira (25) que os médicos ligados à instituição não prescrevam cloroquina ou hidroxicloroquina a pacientes internados com Covid-19. Antes, profissionais do corpo clínico aberto do hospital poderiam recomendar os remédios desde que os pacientes estivessem de acordo.

Em nota enviada à imprensa, o hospital diz que nunca teve um protocolo que indicava o uso desses medicamentos para o tratamento da Covid-19. O uso acontecia na modalidade "off label", que significa a prescrição de medicamentos fora das indicações homologadas pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), sob responsabilidade do(a) médico (a).

Segundo o Albert Einstein, a nova recomendação foi motivada pela decisão da FDA (agência que regula medicamentos nos Estados Unidos) de revogar a autorização de uso emergecial dos medicamentos em pacientes de Covid-19.

A decisão da agência norte-americana foi publicada após uma série de estudos mostrarem a falta de benefício do uso do remédio para esses doentes em comparação com o tratamento padrão adotado.

A hidroxicloroquina é indicada para tratar malária, lúpus e artrite reumatoide, entre outras doenças. O composto é um derivado menos tóxico da cloroquina, mas com efeitos semelhantes no corpo humano.

Por meio de assessoria de imprensa, o Hospital Sírio-Libanês disse que a instituição não tem recomendação sobre conduta universal de tratamentos. "O médico tem liberdade para discutir com seu paciente qual o tratamento a ser seguido e pode recomendar o uso da hidroxicloroquina desde que o paciente esteja ciente de que não há evidência científica de eficácia do tratamento para Covid-19 e o médico explique os riscos de efeitos colaterais. O paciente precisa assinar um termo de autorização do uso", afirma o texto.

Os dois hospitais fazem parte da Coalizão Covid Brasil, que reúne médicos de alguns dos principais hospitais do país para o teste de tratamentos potenciais contra a Covid-19. A cloroquina e a hidroxicloroquina estão entre as substâncias testadas pela equipe. Segundo a nota do Sírio-Libanês, os estudos estão ainda em andamento.

A cloroquina e a hidroxicloroquina ganharam destaque em meados de março, quando o presidente americano Donald Trump passou a endossar seu uso para tratamento da Covid-19 baseado em evidências que cientistas consideravam frágeis.

O presidente Jair Bolsonaro seguiu o mandatário norte-americano e incentivou o uso do remédio. O Exército entrou na produção do medicamento, e o laboratório químico e farmacêutico da instituição chegou a gastar mais de R$ 1,5 milhão para ampliar a produção do composto.

No dia 17 de junho, a OMS (Organização Mundial da Saúde) informou que iria interromper os experimentos com hidroxicloroquina para tratamento de Covid-19 no estudo Solidarity, que é realizado em vários países do mundo.

Veja também

Suspeitos de tráfico interestadual de drogas são presos no Cabo de Santo Agostinho
Tráfico

Suspeitos de tráfico interestadual de drogas são presos no Cabo de Santo Agostinho

Polícia Federal faz operação contra fraudes nos Correios
Polícia

Polícia Federal faz operação contra fraudes nos Correios