MUDANÇA CLIMÁTICA

El Niño e mudanças climáticas causaram recorde de desastres na América Latina em 2023

Ano passado foi o mais quente de que se tem registro na região, ressaltou o informe

CalorCalor - Foto: Canva

O fenômeno El Niño e os efeitos do aquecimento global provocado pelas atividades humanas provocaram um recorde de desastres climáticos na América Latina e no Caribe em 2023, informou, nesta quarta-feira (8), a Organização Meteorológica Mundial (OMM), uma agência da ONU.

O ano passado foi o mais quente de que se tem registro na região, ressaltou o informe, que também adverte que a elevação do nível do mar e o recuo das geleiras prosseguiu, e que "uma grande mudança" na distribuição de chuvas causou secas e incêndios florestais, mas também inundações e deslizamentos.

"Infelizmente, 2023 foi um ano de desastres climáticos recordes na América Latina e no Caribe", disse a secretária-geral da OMM, Celeste Saulo, em comunicado.

Saulo atribuiu o aumento destes eventos extremos à combinação das condições associadas ao El Niño com as consequências das mudanças climáticas induzidas pelos humanos.

A OMM descreveu o El Niño como um padrão climático natural associado ao aquecimento da superfície oceânica no Pacífico tropical, que geralmente ocorre a cada dois a sete anos e dura entre nove e doze meses. Mas sublinhou que atualmente ocorre no contexto de um clima alterado pelas atividades humanas.

Em 2023, foram notificados 67 episódios de desastres meteorológicos, hidrológicos e climáticos na região. Destes, 77% estavam ligados a tempestades e enchentes, afirma o relatório da OMM, com base em dados do Centro de Pesquisa sobre Epidemiologia de Desastres (CRED).

Entre os desastres climáticos de 2023, a OMM destacou o furacão Otis, que devastou o balneário mexicano de Acapulco em outubro, deixando pelo menos 45 mortos e danos milionários.

Também mencionou a intensa seca que atingiu a região, que fez com que fosse registrado o nível mais baixo do rio Negro na Amazônia em mais de 120 anos de medições, e que o tráfego de navios pelo Canal do Panamá estivesse "gravemente" interrompido desde agosto.

Além disso, destacou que a seca na bacia do Prata afetou o norte da Argentina e o sul do Brasil e atingiu especialmente o Uruguai, que viveu o verão mais seco em 42 anos e sofreu uma grave falta de água.

A tudo isto a OMM somou o flagelo das chuvas torrenciais que deixaram dezenas de mortos devido a deslizamentos de terras e enchentes, tanto no sudeste do Brasil em fevereiro, como na Jamaica, no Haiti e na República Dominicana, em novembro.

Veja também

Ao menos 10 corpos são encontrados em cova clandestina no México
América do Norte

Ao menos 10 corpos são encontrados em cova clandestina no México

São João do Recife 2024: público lota Sítio Trindade para competição de quadrilhas; veja imagens
SEXTA-FEIRA

São João do Recife 2024: público lota Sítio Trindade para competição de quadrilhas; veja imagens

Newsletter