resgate

'Eles são filhos da floresta e sabem como sobreviver na selva', afirmou avô de crianças resgatadas

Menores, que foram localizados graças a cães farejadores, helicópteros e aeronaves, estavam desaparecidos desde 1º de maio, quando o avião em que viajavam caiu

Presidente colombiano abraçando familiares das crianças resgatadasPresidente colombiano abraçando familiares das crianças resgatadas - Foto: Colombian Presidency/AFP

Embora frágeis, as quatro crianças indígenas resgatadas da selva colombiana após uma surpreendente façanha de sobrevivência estão bem e "felizes" em um hospital de Bogotá, informou o avô das crianças neste sábado. "Acabei de olhar para meus netos. Primeiro, eles estão vivos, estão muito acabados, mas sei que estão em boas mãos", disse Fidencio Valencia, um indígena Huitoto de 47 anos, a repórteres do lado de fora de um hospital militar na capital.

Os menores viajavam com a mãe, uma liderança de sua comunidade natal e o piloto de um monomotor. O avião caiu no dia 1º de maio e ficou com a frente destruída no meio da mata cerrada do departamento de Caquetá (sudeste). Com cães farejadores, helicópteros e aeronaves, uma centena de militares e dezenas de indígenas localizaram os corpos dos três adultos. As crianças, por outro lado, só foram encontradas 40 dias depois.

"Eles são filhos da floresta e sabem como sobreviver na selva", exultou Valência.

Militares disseram que resgate foi um milagre

O presidente Gustavo Petro anunciou o resgate e celebrou o dia como "um dia mágico" em que também foi assinada uma trégua de seis meses com guerrilheiros do ELN que negociam a paz com o governo. "Eles estavam sozinhos, eles mesmos conseguiram. Um exemplo de sobrevivência total que ficará para a história", acrescentou o presidente.

O militar encarregado do resgate, general Pedro Sánchez, disse que foram os indígenas que descobriram o paradeiro dos menores. “Encontramos as crianças: milagre, milagre, milagre!” foi a mensagem que recebeu, segundo disse à imprensa.

Entre 15 e 16 de maio, os soldados encontraram o avião destruído com todos os adultos mortos. A partir de então, uma espetacular operação de busca foi lançada pelo céu e pela terra, na qual encontraram pistas de que pelo menos uma das crianças ainda estava viva: tesouras, uma garrafa, frutas mordidas, abrigos improvisados com folhas. Indícios de que os menores vagavam entre a densa vegetação onde vivem onças, onças-pardas e cobras venenosas entre os departamentos do sul de Guaviare e Caquetá.

Em entrevistas à AFP, os avós dos menores garantiram que a mais velha dos irmãos "é muito inteligente", "forte" e de caráter "guerreiro", qualidades que lhe permitiram manter os mais pequenos em segurança. Além de animais silvestres e vegetação hostil, a selva de Caquetá abriga guerrilheiros que se desviaram do pacto de paz assinado pelas FARC em 2016.

“Foi uma busca bastante difícil, esta é uma selva tropical, muito densa (...) viajamos por chuva, tempestades, muitas situações difíceis, mas com toda a esperança e fé espiritual de que poderíamos encontrá-los”, disse Luis Acosta, um dos guardas indígenas que participaram das operações de busca.

Nessa região de difícil acesso fluvial e sem rodovias, os habitantes costumam viajar em voos particulares. Os menores embarcaram no avião com a mãe em 1º de maio para fugir dos guerrilheiros que recrutam e intimidam os habitantes da área, indicou o general Sánchez.

"Vocês têm que deixá-los sozinhos enquanto eles se recuperam", pediu o avô ao lado do hospital.

Segundo mapas do exército, os irmãos estavam a 5 km do local do acidente. Dezenas de militares uniformizados e indígenas tiveram que ser rendidos durante a operação devido ao clima e terreno inóspitos. Depois de procurá-los ao longo de 2.656 quilômetros, um grupo de militares e indígenas localizou os irmãos, de 13, 9, 4 e um ano, no meio da selva na sexta-feira. Nas primeiras imagens elas pareciam frágeis, magras e sem sapatos.

"Eles estão felizes em ver a família (...) eles têm todos os sentidos completos", acrescentou o avô com um poncho no pescoço.

A operação de resgate durou até o início da manhã deste sábado. As crianças foram levadas de helicóptero para a cidade mais próxima de San José del Guaviare e depois a Força Aérea as levou para Bogotá, onde estão recebendo atendimento médico.

Veja também

Fiocruz critica PL do Aborto: "Retrocesso e ameaça à saúde de mulheres e meninas"
POSICIONAMENTO

Fiocruz critica PL do Aborto: "Retrocesso e ameaça à saúde de mulheres e meninas"

Exército de Israel diz que Hamas não pode ser destruído e expõe divergências com Netanyahu
GUERRA

Exército de Israel diz que Hamas não pode ser destruído e expõe divergências com Netanyahu

Newsletter