Elon Musk

Elon Musk desafia Putin para duelo, com Ucrânia como prêmio

Segundo o bilionário, o troféu seria a Ucrânia

Elon Musk, CEO da TeslaElon Musk, CEO da Tesla - Foto: Brendan Smialowski / AFP

O bilionário Elon Musk desafiou o presidente russo, Vladimir Putin, nesta segunda-feira (14), para um "combate" corpo a corpo.

O troféu? A Ucrânia, cenário de uma ofensiva do Exército russo que já dura quase três semanas. 

"Desafio Vladimir Putin para um combate (corpo a corpo). O prêmio é a Ucrânia", tuitou o fundador da empresa espacial SpaceX, sem mais detalhes da proposta.

"Aceita essa luta?", perguntou Musk em outra mensagem, em russo, dirigindo-se diretamente à conta oficial do Kremlin no Twitter em inglês. 

E, diante da incompreensão de um de seus mais de 77 milhões de seguidores, garantiu que falava "muito sério". O governo russo ainda não reagiu.

O bilionário de origem sul-africana já havia manifestado seu apoio a Kiev, tuitando "Ucrânia, fique firme" no início de março. Também saudou "o grande povo da Rússia, que não quer" a guerra. 

Além disso, respondeu a um pedido de ajuda de uma autoridade ucraniana, ativando o serviço de Internet via satélite Starlink na Ucrânia e enviando equipamentos para ajudar a levar conectividade às zonas deste país afetadas pelos ataques militares russos. 

Musk está acostumado com polêmicas no Twitter. 

Em fevereiro, acusou o regulador do mercado de ações dos Estados Unidos, que lhe impôs várias sanções, de tentar amordaçar sua liberdade de expressão. E, em uma mensagem de apoio às pessoas contrárias às restrições sanitárias impostas pelo governo canadense, comparou seu primeiro-ministro, Justin Trudeau, a Adolf Hitler. Depois, apagou esta publicação.

Veja também

Fiocruz critica PL do Aborto: "Retrocesso e ameaça à saúde de mulheres e meninas"
POSICIONAMENTO

Fiocruz critica PL do Aborto: "Retrocesso e ameaça à saúde de mulheres e meninas"

Exército de Israel diz que Hamas não pode ser destruído e expõe divergências com Netanyahu
GUERRA

Exército de Israel diz que Hamas não pode ser destruído e expõe divergências com Netanyahu

Newsletter