Em audiência na Alepe, ONGs e pescadores apelam por mais atenção do Governo Federal

A audiência, realizada na manhã desta quarta-feira, teve como destaque o seguro-defeso

Audiência pública debate o impacto das manchas de óleo em Pernambuco Audiência pública debate o impacto das manchas de óleo em Pernambuco  - Foto: Giovanna Carneiro / Folha de Pernambuco

A Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) convocou audiência pública para debater os impactos da incidência das manchas de óleo no setor econômico e ambiental do estado. Realizada na manhã desta quarta-feira, no auditório Sérgio Guerra, a audiência contou com a participação de representantes da OAB, Associações de Pescadores de Pernambuco, Ministério Público, Governo do Estado e ONGs.

Solicitada pelas comissões de Meio Ambiente e de Desenvolvimento Econômico e Turismo da Alepe, a audiência teve como pauta principal o impacto que o derramamento de óleo pode ter na vida dos trabalhadores que dependem do turismo e da pesca.

Leia também:
Óleo vem de vazamento no oceano perto da costa da Bahia, diz pesquisa
Novo balanço contabiliza 1518 toneladas de óleo recolhidas em Pernambuco
União suspende pesca de crustáceos no litoral nordestino

“A gente reivindica melhora para os pescadores porque tem uma ação do Governo Federal que está liberando uma parcela do seguro-defeso agora no mês de novembro, mas sabemos que essa parcela só contempla 400 pescadores de Recife e 90% dos pescadores não vão ter acesso a essa verba. A gente quer que o Governo Federal e estadual reveja a situação dos pescadores”, declarou Arlene Maria, presidente da Colônia de Pescadores de Barra de Sirinhaém.

O seguro-defeso, que tem o valor de um salário mínimo, é um benefício previdenciário destinado aos pescadores profissionais que ficam impossibilitados de desenvolver suas atividades quando a pesca é proibida. No dia 24 de outubro, o presidente em exercício, Davi Alcolumbre, assinou decreto autorizando a prorrogação da concessão do seguro-defeso para os pescadores afetados pelo vazamento de petróleo no litoral nordestino. As estimativas do Governo do Estado apontam que apenas 400 dos 10 mil pescadores de Pernambuco receberão o benefício.

A "ausência do Governo Federal na resolução do caso das manchas de óleo" e a falta de políticas de auxílio para os trabalhadores também foi destacada na sessão. “O que está acontecendo é um descaso com os nordestinos, é uma discriminação com o povo. Nós vamos ter que fazer uma grande pressão política para combater essa omissão”, defendeu deputado João Paulo, que integrou a mesa de debate.

Representantes de ONGs, movimentos sociais e associações de pescadores fizeram da audiência um momento de apelo, como destacou Alice Galbino, representante do movimento Amazônia na Rua Recife. “O intuito dessa audiência pública é mais um apelo da maioria das colônias de pescadores do estado que estão se sentindo esquecidas do processo. A gente está aqui buscando a ação efetiva e integrada do governo”.

Veja também

Lua é mais rica em água do que se imaginava, indica Nasa
ciência

Lua é mais rica em água do que se imaginava, indica Nasa

Entretenimento com animais silvestres traz riscos à saúde, diz ONG
meio ambiente

Entretenimento com animais silvestres traz riscos à saúde, diz ONG