Em meio a pandemia do coronavírus, Pernambuco registra queda de arboviroses

Recife, capital pernambucana, também apresentou queda nas notificações. Segundo boletim epidemiológico, o total de notificações está abaixo do limite máximo esperado

O Aedes Aegypti é o mosquito transmissor da Dengue, Zika e Chikungunya O Aedes Aegypti é o mosquito transmissor da Dengue, Zika e Chikungunya  - Foto: John Tann/Creative Commons

Com as atenções das autoridades de saúde e da população prioritariamente voltadas para a pandemia do novo coronavírus, velhas doenças conhecidas podem ganhar espaço e acabar dificultando a vida das pessoas. No período de chuvas, arboviroses como dengue, zika e chikungunya se tornam mais frequentes. De acordo com o clínico geral do Hapvida, Maurício Cavalcante, a incidência de casos dessas doenças aumenta em épocas chuvosas porque o número de criadouros do mosquito também cresce. “O acúmulo de água da chuva em jarros, vasos e recipientes em geral faz o número de casos crescer”, apontou.

A Secretaria de Saúde do Estado (SES-PE) informou que foram registrados 11.562 casos suspeitos de dengue, em 177 municípios do estado de Pernambuco, o que também representa uma redução de 64,54% quando comparada com o mesmo período de 2019, quando foram notificados 32.491 casos. A redução também foi significativa nas notificações de chikungunya, que registraram 1.293 casos em 100 municípios, contra 4.418 no ano passado, o que corresponde a uma redução de 70,7%. Para zika, até o momento, foram notificados 608 casos, em 62 municípios, caracterizando uma redução de 70,9% em relação ao mesmo período de 2019, que notificou 2.089 casos.

O monitoramento é realizado semanalmente através das notificações de casos suspeitos, registrados pelas unidades de saúde, e pelos indicadores entomológicos, bimensais, obtidos pelo LIRAa (Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti). Ainda segundo a SES, o diagrama de controle mostra que, até a Semana Epidemiológica 21 de 2020, que extrai os dados do período entre os dias 29 de dezembro de 2019 a 23 de maio de 2020, o coeficiente de incidência de casos prováveis de dengue do estado de Pernambuco encontra-se abaixo do limite superior de casos notificados para o período, o que significa que o Estado está dentro da normalidade. Contudo, 16 municípios estão com alta incidência (≥ 300 casos por 100.000 hab.), são eles Afogados da Ingazeira, Afrânio, Altinho, Casinhas, Cedro, Dormentes, Garanhuns, Granito, Jucati, Lagoa Grande, Palmeirina, Quixabá, Salgueiro, São Bento do Una, Serrita e Triunfo.

Leia também:
Estados temem epidemias de dengue e outras doenças junto com coronavírus
Verão é propício para alta de casos de dengue, chikungunya e zika; veja como prevenir
Secretaria de Saúde do Recife alerta para prevenção das arboviroses


No Recife, conforme apresentado no boletim epidemiológico de arboviroses da Secretaria de Saúde do Recife (Sesau), de 29 de dezembro de 2019 até o dia 25 de abril deste ano, foram notificados 603 casos. Destes, 481 são de dengue; 112, de chikungunya; e 10 são de zika. Até o momento, foram confirmados 166 de dengue e 35 de chikungunya. Os números apontam uma redução de 58,9% de notificações e de 69% dos casos confirmados. Ainda conforme o boletim, o total de notificações está abaixo do limite máximo esperado. Nas últimas oito semanas, os bairros que apresentaram o maior número de casos notificados, foram Areias (8), Ibura (6), Cordeiro (4), Iputinga (4), Jardim São Paulo (4) e Várzea (3).

Segundo Cavalcante, dentre as arboviroses mais comuns — dengue, zika e chikungunya —, os sintomas mais frequentes e que estão presentes em todas são febre alta, dor de cabeça, fadiga, náuseas e dores musculares e nas articulações. “É preciso ter muito cuidado, porque os sintomas dessas arboviroses pode ser facilmente confundido com os sintomas da fase inicial da Covid-19”, alerta. Transmitidas pelo mesmo mosquito, Aedes aegypti, o tratamento das arboviroses é feito com uso de medicação sintomática. “Além da hidratação e do repouso do paciente, que são muito importantes, o tratamento é feito com medicação para febre e para as dores”, esclarece. O especialista lembra ainda que a melhor forma de se prevenir é evitando a picada do mosquito, que faz do acúmulo de água em recipientes e reservatórios destampados o seu criadouro. “É muito importante que a população permaneça vigilante no combate às arboviroses e que não relaxe os cuidados por conta da pandemia”, conclui.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

Veja também

Brasil supera 4,5 milhões de infectados pelo novo coronavírus
Coronavírus

Brasil supera 4,5 milhões de infectados pelo novo coronavírus

Autoridades dos EUA interceptam envelope evenenado endereçado à Casa Branca
Mundo

Autoridades dos EUA interceptam envelope evenenado endereçado à Casa Branca