Vacina

Vacinas de AstraZeneca/Oxford que chegaram a Pernambuco irão para idosos a partir de 85 anos

Lotes com doses da vacina desenvolvida pela farmacêutica AstraZeneca, em parceria com a Universidade de OxfordLotes com doses da vacina desenvolvida pela farmacêutica AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford - Foto: Hélia Scheppa/SEI

O Governo de Pernambuco anunciou, nesta segunda-feira (25), que as 84 mil doses da vacina contra a Covid-19 desenvolvida através da parceria entre a farmacêutica AstraZeneca e a Universidade de Oxford que chegaram ao Estado no domingo (24) serão destinadas aos idosos com idade a partir de 85 anos completados. 

A decisão foi tomada após avaliação do Comitê Técnico Estadual para Acompanhamento da Vacinação, que fizeram uma pactuação com os municípios. 

“A importância de vacinar esse grupo de idosos se baseia nos dados atuais da saúde. Pessoas nessa faixa etária representam 15% do total de óbitos”, justificou Paulo Câmara. 

As vacinas serão repassadas aos municípios de acordo com a quantidade de habitantes dentro dessa faixa etária, com a orientação de que a imunização seja facilitada de todas as maneiras possíveis. As doses serão entregues na manhã desta terça-feira (26).

O secretário estadual de Saúde, André Longo, reforçou as declarações do governador sobre a importância de vacinar essa população acima dos 85 anos de idade, acrescentando que dois terços desse público vêm a falecer quando acometidos pelo novo coronavírus - 66% dos adoecimentos a partir dos 85 anos tiveram como desfecho do caso a morte. 

“A decisão de priorizar esse grupo evitará novas mortes e refletirá em menos internamentos e pressão em nosso sistema de saúde”, disse Longo, informando ainda que, atualmente, 60 leitos de UTI Covid estão ocupados com idosos dessa faixa etária. “A responsabilidade com as vidas têm que ser o norte principal neste momento”, frisou.

Ao todo, são mais de 71,5 mil idosos nessa faixa etária (com 85 anos ou mais) distribuídos entre os municípios pernambucanos. Como a vacina da AstraZeneca vem em frasco com dez doses e é preciso utilizar todo o conteúdo do recipiente em até seis horas após aberto, é necessário contar com uma margem de perda prevista em torno de 5%, além de arredondamentos no quantitativo de cada cidade.

Com os cálculos, seriam necessárias mais de 79,9 mil doses a serem distribuídas para esse público. Como Pernambuco recebeu 84 mil doses, o quantitativo remanescente (pouco mais de 4 mil) ficará em guarda do Estado para possíveis ajustes solicitados pelos municípios.

"Estamos orientando os municípios a planejarem suas ações de forma a evitar ao máximo a perda. Além disso, será necessário arredondar para mais o número de doses enviadas para algumas cidades, já que não é possível fracionar o conteúdo do recipiente para enviar aos municípios”, explicou a superintendente de Imunizações da SES-PE, Ana Catarina de Melo.

Em relação às 84 mil doses da vacina da AstraZeneca/Oxford/Fiocruz, é preciso destacar que aorientação do Ministério da Saúde é utilizar todo o quantitativo para a primeira dose. De acordo com o órgão federal, a remessa para a segunda dose, que deve ser feita três meses após a primeira, será encaminhada posteriormente. 

CoronaVac
Já as 38.400 novas doses da CoronaVac - desenvolvidas em parceria com o Instituto Butantan - que chegaram ao Recife na tarde desta segunda-feira vão dar prosseguimento à campanha de vacinação dos trabalhadores da saúde.

Diferente do primeiro lote de 270 mil unidades monodoses, a nova remessa vem em frascos com 10 doses, assim como a AstraZeneca/Oxford/Fiocruz. Ou seja, também está previsto 5% de perda e os arredondamentos, o que significa beneficiar em duas doses em torno de 17,5 mil trabalhadores de saúde, que se somam aos 135 mil da primeira remessa. 

O quantitativo também deve ser utilizado para a primeira e segunda doses - que devem ser aplicadas com um intervalo de duas a quatro semanas.

Esse novo lote deverá ser utilizado para continuar imunizando os trabalhadores de saúde da linha de frente do enfrentamento ao novo coronavírus e avançar para os demais de acordo com a realidade da rede de cada município. 

"Na primeira remessa, contemplamos 34% dos trabalhadores de saúde. Agora serão mais 6%, totalizando 40%. Esclareço que vamos proteger 100% da força de trabalho da saúde, temos que passar essa segurança. Mas precisamos que o Ministério da Saúde encaminhe mais doses para que possamos beneficiar a todos. Enquanto isso, vamos fazer a ordem de prioridade, vacinando os trabalhadores da linha de frente contra a Covid-19 e seguindo para outros da área da saúde a depender da realidade de cada rede municipal e objetivando manter a assistência à população até que todos sejam contemplados", reforçou Longo. 

Entre as 38,4 mil novas doses da Coronavac/Butantan, mais de 31,8 mil irão para os municípios e mais de 6,5 mil ficarão com o Estado para dar seguimento à imunização da rede de urgência e emergência. 

Além dos trabalhadores de saúde e dos idosos a partir dos 85 anos, neste primeiro momento, também foram contemplados idosos em instituições de longa permanência, pessoas com deficiência institucionalizadas e indígenas aldeados.

Cuidados
Paulo Câmara reforçou ainda, em seu pronunciamento, a importância de ser mantido o respeito aos protocolos sanitários, uma vez que ainda não há previsão de imunização para todos os pernambucanos. 

“Ainda estamos longe de vacinar todos os integrantes do primeiro grupo prioritário. Temos mais três grupos de prioridades antes de começar a imunização em massa. Por isso, o cuidado em evitar aglomerações, a observação da higiene das mãos e o uso de máscaras permanecem como orientações válidas”, concluiu.

Veja também

Pernambuco inaugura 23 novos leitos de UTI para infectados
COVID-19

Pernambuco inaugura 23 novos leitos de UTI para infectados

Governador do Pará provoca aglomeração na abertura da pesca de peixe amazônico
Helder Barbalho

Governador do Pará provoca aglomeração na abertura da pesca de peixe amazônico