Saúde

'Emergência de dengue no Brasil é presságio de crise sanitária nas Américas', diz jornal dos EUA

New York Times afirma que número recorde de casos poderá provocar onda no Hemisfério Norte

DengueDengue - Foto: NIAD/NIH

O Brasil está enfrentando um enorme surto de dengue especialistas em saúde pública dizem que se trata do prenúncio de um aumento iminente de casos nas Américas.

O Ministério da Saúde do Brasil alerta que espera mais de 4,2 milhões de casos este ano, superando os 4,1 milhões de casos registrados pela Organização Pan-Americana da Saúde para todos os 42 países da região no ano passado.

O Brasil enfrentaria um ano ruim de dengue – o número de casos do vírus normalmente aumenta e diminui em um ciclo de aproximadamente quatro anos – mas os especialistas dizem que uma série de fatores, incluindo o El Niño e as mudanças climáticas, amplificaram significativamente o problema este ano.

“O calor recorde no país e as chuvas acima da média desde o ano passado, antes mesmo do verão, aumentaram o número de criadouros do mosquito no Brasil, mesmo em regiões que tiveram poucos casos da doença”, disse a ministra da Saúde do Brasil, Nísia Trindade.

O número de casos de dengue já disparou na Argentina, Uruguai e Paraguai nos últimos meses, durante o verão do Hemisfério Sul, e o vírus avançará pelos continentes com as estações do ano.

“Quando vemos ondas em um país, em geral elas se seguem para outros, é assim que estamos interconectados”, disse Albert Ko, especialista em dengue no Brasil e professor de saúde pública na Universidade de Yale.

A Organização Mundial de Saúde alertou que a dengue está para se tornar rapidamente num problema de saúde global urgente.

Nos Estados Unidos, Gabriela Paz-Bailey, chefe do departamento de dengue na divisão de infecções transmitidas por vetores dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças, disse que esperava altas taxas de infecção por dengue em Porto Rico este ano e que haveria mais casos também no território continental dos Estados Unidos, especialmente na Flórida, bem como no Texas, Arizona e sul da Califórnia.

A dengue é transmitida pelo Aedes aegypti , uma espécie de mosquito que está se estabelecendo em novas regiões, incluindo partes mais quentes e úmidas dos Estados Unidos, onde nunca tinha sido vista até os últimos anos.

Espera-se que os casos nos Estados Unidos ainda sejam relativamente poucos neste ano – na casa das centenas, não dos milhões – devido à alta prevalência do ar condicionado e das telas nas janelas. Mas Paz-Bailey alertou: “Quando se observam as tendências no número de casos nas Américas, é assustador. Há aumento de forma consistente ao redor.”

A Flórida relatou o maior número de casos adquiridos localmente no ano passado, 168, e a Califórnia relatou os primeiros casos desse tipo.

Três quartos das pessoas infectadas com dengue não apresentam nenhum sintoma e, entre as que apresentam, a maioria dos casos se assemelha apenas a uma gripe leve. Mas algumas infecções por dengue são graves, causando dores de cabeça, vômitos, febre alta e dores nas articulações. Um caso grave de dengue pode deixar uma pessoa debilitada por semanas.

Cerca de 5% das pessoas que ficam doentes irão evoluir para o que é chamado de dengue grave, que faz com que o plasma, o componente fluido do sangue rico em proteínas, vaze dos vasos sanguíneos. Alguns pacientes podem entrar em choque, causando falência de órgãos .

Veja também

Fechamento da Télam prejudicaria direito de argentinos à informação
Télam

Fechamento da Télam prejudicaria direito de argentinos à informação

Moda da Hermès desafía todos os elementos
Moda

Moda da Hermès desafía todos os elementos