Mundo

Emirados Árabes Unidos e Catar reabrem suas embaixadas após anos de tensão

Os países romperam as relações em 2017 e se reconciliaram em 2021

Presidente dos Emirados Árabes Unidos Mohammed bin Zayed Al NahyanPresidente dos Emirados Árabes Unidos Mohammed bin Zayed Al Nahyan - Foto: Karim Sahib / AFP

Os Emirados Árabes Unidos e o Catar reabriram suas respectivas embaixadas após anos de tensões entre esses dois ricos países do Golfo, anunciaram nesta segunda-feira (19).

Assim como Arábia Saudita e Bahrein, os Emirados se reconciliaram com o Catar em 2021, após uma interrupção de três anos, mas ainda não haviam reatado totalmente as relações.

Ambos os países restabeleceram sua "representação diplomática com a retomada das atividades da embaixada dos Emirados Árabes Unidos em Doha e da embaixada do Catar em Abu Dhabi, assim como de seu consulado em Dubai a partir de segunda-feira", informa o comunicado oficial divulgado pelas agências de notícias dos dois Estados.

Em uma conversa por telefone, o ministro das Relações Exteriores dos Emirados, Abdullah bin Zayed, e o primeiro-ministro e chefe da diplomacia do Catar, Mohammed bin Abderrahman al Thani, "felicitaram-se" por esta etapa, relatou a agência WAM, dos Emirados.

Bahrein, Arábia Saudita, Emirados e Egito romperam relações com o Catar em 2017, acusando-o de apoiar organizações extremistas na região.

Desde a assinatura do acordo de reconciliação entre os países do Golfo em janeiro de 2021, Riade e Doha se aproximaram de maneira considerável, mas o processo foi mais lento com os outros países vizinhos.

Bahrein e Catar anunciaram que estavam retomando suas relações diplomáticas em abril.

A reconciliação ocorre em meio a um degelo geral na região, especialmente desde o restabelecimento das relações em março entre Arábia Saudita e Irã, grandes rivais.

Veja também

ONU alerta que faltam 'muitas questões a resolver' antes da COP29
COP29

ONU alerta que faltam 'muitas questões a resolver' antes da COP29

FMI aprova desembolso de US$ 800 milhões para Argentina
Argentina

FMI aprova desembolso de US$ 800 milhões para Argentina

Newsletter