MUNDO

Emissões mundiais de CO2 vinculadas à energia batem recorde em 2023

Países como China, Canadá e México precisaram recorrer a meios poluentes de produção de energia elétrica, incluindo combustível ou o carvão

Nível de CO2 na atmosfera bate novo recordeNível de CO2 na atmosfera bate novo recorde - Foto: Divulgação

As emissões mundiais de dióxido de carbono vinculadas à energia aumentaram 1,1% em 2023 e registraram um novo recorde, resultado provocado especialmente pela queda da produção hidrelétrica devido à seca, anunciou a Agência Internacional de Energia (AIE).

Estas emissões, que representam quase 90% das provocadas pelo homem, aumentaram 410 milhões de toneladas e atingiram 37,4 bilhões no ano passado, segundo a organização com sede em Paris.

O aumento, no entanto, registrou uma desaceleração na comparação com 2022, quando as emissões de CO2 cresceram 490 milhões de toneladas.

O balanço de 2023 foi marcado por uma queda recorde na produção hidrelétrica mundial, resultado vinculado às secas graves e prolongadas que afetaram diversas regiões do mundo.

Países como China, Canadá e México precisaram recorrer a meios poluentes de produção de energia elétrica, incluindo combustível ou o carvão, o que se traduziu em um aumento de 170 milhões de toneladas.

A China, que registrou alta de 565 milhões de toneladas nas emissões de CO2, continuou utilizando energias poluentes para manter o crescimento econômico depois da pandemia de covid-19.

 

Do outro lado, a maioria das economias avançadas registrou queda recorde nas emissões e o menor nível de uso de carvão desde o início do século XX, sem que isto impactasse o desenvolvimento do PIB.

Energias limpas
Os números de 2023 não ajudaram no cumprimento das metas para emissões de gases do efeito estufa, que deveriam permitir respeitar o limite do aquecimento global a 1,5ºC, objetivo previsto no Acordo de Paris.

Segundo os especialistas da ONU, as emissões devem alcançar o pico até 2025 e cair 43% até 2030, na comparação com os resultados de 2019.

A AIE também destacou a contribuição importante das energias limpas.

"A transição para energias limpas prossegue rapidamente e freia as emissões, inclusive com uma demanda energética mundial que cresceu mais em 2023 que em 2022", afirmou o diretor executivo da agência, Fatih Birol.

Apesar do aumento das emissões vinculadas com a energia entre 2019 e 2023 ter sido de 900 milhões de toneladas, o número teria sido três vezes maior sem a utilização de cinco tecnologias cruciais: energia solar, eólica e nuclear, as bombas de calor e veículos elétricos.

A agência também publicou nesta sexta-feira um relatório dedicado especificamente ao mercado de energias limpas, que constata um aumento expressivo tanto da solar como da eólica.

Mas a expansão está" muito concentrada nas economias avançadas e na China", com o restante do mundo ficando para trás.

Veja também

Lembra quando Bolsonaro era o fascista?', questiona filho de John Lennon, Sean Ono
Política

Lembra quando Bolsonaro era o fascista?', questiona filho de John Lennon, Sean Ono

Estudo indica que bonobos são mais agressivos do que se pensava
Bonobos

Estudo indica que bonobos são mais agressivos do que se pensava

Newsletter