Empreendendo em Realidade Virtual, no Rec’n’play

Palestra sobre empreendedorismo em realidade virtual proporcionou experiências imersivas na tarde desta quarta-feira (07)

Realidade Virtual no Rec'n'playRealidade Virtual no Rec'n'play - Foto: Maria Priscila Martins/Portal FolhaPE

Com um faturamento estimado de US$ 7,17 bilhões em 2017, o mercado de realidade virtual cresce exponencialmente. Segundo a Greenlight Insights, a expectativa é de que esse número chegue a US$ 74,82 bilhões até 2021. No primeiro dia do festival de experiências digitais REC’n’Play, representantes de empresas que atuam na área apresentaram painel sobre empreendimento com a tecnologia.

A francesa Diversion Cinema é pioneira na exibição de filmes, narrativas visuais e experiências imersivas aliadas à realidade virtual. “O comum para qualquer uso da realidade virtual é a imersão. Com um óculos e um capacete você está completamente dentro desse universo criado. A imersão é muito mais profunda que em uma sala de cinema comum”, falou Marc Lobato, de operações e desenvolvimento de negócios da empresa.

Mesmo com problemas na organização do evento neste primeiro dia, participantes da palestra de realidade virtual conseguiram visualizar e experimentar a realidade virtual em si. “Eu já tenho experiência com realidade virtual em jogos, mas ver como se aplica no mercado e até em museus foi muito bom pra mim, inclusive para dar a perspectiva de um dia trabalhar com isso”, falou Gabriel Bandeira, momentos antes de colocar o óculos de realidade virtual para visitar locais da França.

Leia também: 
Desorganização no Rec'n'Play gera lotação e frustra público inscrito nas atividades
Primeira manhã do Rec'n'Play aborda iluminação pública e inclusão digital para surdos e idosos
REC'n'play: Romero Ferro, Barro, Alice Caymmi e Mariana Aydar cantam no Recife


A Mantus Studio, situada em Caruaru, nasceu voltada para o desenvolvimento de jogos, mas hoje atua principalmente na área de realidade virtual e aumentada. “O diferencial é a capacidade de transportar você para um universo digital. A partir da imersão ela pode transmitir vários sentimentos, fazer você se emocionar se divertir ficar triste sentir medo”, comentou Filipe Rafael, CEO.

O uso de realidade virtual na cultura, como para visitar museus também foi abordado no evento. “O grande desafio da realidade virtual é a experiência com cultura, mas aproximar equipamentos culturais da tecnologia aumenta o acesso de quem não pode ir naquele lugar”, disse Ricardo Santos de Figueiredo, do Armazém da Criatividade, em Caruaru.

Veja também

Pernambuco recebe lote com 84 mil doses da vacina AstraZeneca/Oxford
Coronavírus

Pernambuco recebe lote com 84 mil doses da vacina AstraZeneca/Oxford

Médicos são os primeiros vacinados com a dose de Oxford no Brasil
VACINAÇÃO

Médicos são os primeiros vacinados com a dose de Oxford no Brasil