Opinião

Ensinamentos da tragédia paulista

Essa semana, ao meditar sobre o que escrever para a Folha de Pernambuco, vi-me dividido em manter o foco sobre o tema do papel dos militares e seu relacionamento com o Estado, destacar as vitórias da FEB na Itália na Segunda Guerra, abrir uma frente de debate tratando sobre a proposta da Guarda Nacional palaciana, lembrar um ano da eclosão da guerra entre Rússia e Ucrânia ou focar na tragédia ambiental e climática no Litoral Norte do Estado de São Paulo. 

Fiquei com os mais de 600 mm de chuvas em apenas um dia da tragédia paulista - com um alerta de que algo semelhante poderá vir a ocorrer amanhã aí onde o senhor, leitor, se encontra - já que as causas são semelhantes em qualquer outra região do país.

Toneladas de lama descendo morro abaixo, levando em minutos tudo que lhe tente deter, deixando um rastro de destruição e a digital inequívoca de irresponsabilidade do poder público, são cenas comuns nos meses de janeiro, fevereiro e março.

Litoral paulista, região cacaueira do Sul da Bahia, Zona da Mata do Espírito Santo, divisa entre Alagoas e Pernambuco, Vale do Itajaí em Santa Catarina, servem de exemplos da fúria da mãe natureza a se abater sobre a população como a castigá-la pelo pecado de não cuidar do que, sendo-lhe seu, lhe permite a vida: o meio ambiente.

Nesses momentos, as estruturas de Defesa Civil são acionadas. A ação direta cabe aos municípios, linha de frente e primeiros a serem acionados. 

Mas a organização é projetada a partir de ministérios na esfera federal, configurado no Sistema Nacional de Proteção e Defesa Civil (Sedec), que canalizam diretamente para as regiões atingidas os meios e recursos a serem empregados antes, durante e após as catástrofes. 

O governo do Estado age para coordenar as microrregiões e equilibrar os múltiplos esforços direcionados para a solução do problema. No papel parece ótimo, e é! 

Na prática, algumas autoridades não ocupam as suas cadeiras de responsabilidade. Elas deixam um rastro de leniência e falta de ação, obrigando organizações não governamentais e organizações civis de interesse público, por vezes, assumirem o comando e conduzirem o combate em cada sítio atingido e em desespero.

Na tragédia paulista viu-se, todavia, a prontidão dos governos federal, estadual e municipais para atuarem conjuntamente, a despeito de eventuais divergências políticas, com o foco maior no bem-estar social e proteção de seus governados.

Viu-se a mão amiga das Forças Armadas com a presença de militares da Marinha, Exército e Aeronáutica. Levaram tratores, caminhões, navios, helicópteros e até hospitais de campanha, em uma ação coordenada pelo Ministério da Defesa e prontamente assumida pelos comandos na área.

Viu-se o Corpo de Bombeiros em sua sempre e comprovada eficiência desdobrar-se horas, dias a fio, para resgatar vivos ou mortos com a máxima presteza e possível segurança, e trazer alívio a famílias em desespero.

Viu-se a solidariedade da gente comum que, embora igualmente atingida, reuniu forças para somar-se a tantos na distribuição de roupas, alimentos, alojamentos, resgates e carinhos.

Eventuais desvios comportamentais, como elevação oportunista de preços de produtos básicos e ataques à imprensa enquanto cobrindo o desastre, foram prontamente contidos. 

Essa tragédia ambiental, por um motivo ainda que doloroso, nos trouxe paradoxalmente esperança de que as divisões políticas e ideológicas a que fomos submetidos, embora persistam em alguns momentos de irracionalidade, estão ficando ao costado.

Os exemplos estão à vista. Agora, cumpre continuarmos, como cidadãos conscientes, cobrando, denunciando, avaliando e cooperando para que esses eventos que somam fatores climáticos, ambientais e de urbanização incontrolada, sejam antecipados e prontamente combatidos em esforço conjunto de planejamento, preparo e emprego a reunir homens e mulheres, ricos e pobres, civis e militares, público e privado.

Paz e bem!



*General de Divisão da Reserva


- Os artigos publicados nesta seção não refletem necessariamente a opinião do jornal. Os textos para este espaço devem ser enviados para o e-mail [email protected] e passam por uma curadoria para possível publicação.

Veja também

UTIs vão reforçar hospitais de campanha no Rio Grande do Sul
Rio Grande do Sul

UTIs vão reforçar hospitais de campanha no Rio Grande do Sul

Eletrobras: trabalhadores poderão entrar em greve a partir de 3 de junho
Eletrobras

Eletrobras: trabalhadores poderão entrar em greve a partir de 3 de junho

Newsletter