Pernambuco

Governo libera, em novembro, aula presencial para todas as turmas da rede privada

Anúncio de retomada das aulas presenciais em PernambucoAnúncio de retomada das aulas presenciais em Pernambuco - Foto: Aluísio Moreira/SEI

O secretário de Educação e Esportes de Pernambuco, Fred Amâncio, em coletiva nesta quinta-feira (29), divulgou datas para a retomada do ensino presencial na rede privada de Pernambuco. Até o final de novembro, a rede particular de ensino médio, fundamental e infantil poderá voltar com aulas presenciais. 

A partir do dia 10 de novembro, alunos do ensino fundamental, que engloba turmas do 6º ao 9º ano, de escolas particulares, poderão retomar as aulas, seguindo os protocolos de higiene e segurança do governo do Estado.

Os anos iniciais do ensino fundamental, do 1º ao 5º ano, poderão voltar a partir do dia 17 de novembro. Por fim, a educação infantil poderá retomar com aulas presenciais a partir do dia 24 de novembro.

Como o retorno às atividades escolares presenciais aumenta a possibilidade de exposição ao vírus, não será obrigatória a volta do estudante para a sala de aula física. "É importante destacar que esse retorno é opcional e, por se tratar de estudantes menores de idade, a decisão de voltar à escola caberá aos pais ou responsáveis", informou o secretário Fred Amâncio 

O secretário ainda salientou que a rede pública continua com aulas suspensas para o ensino fundamental e infantil.  

No dia 21 de outubro, as escolas da rede público deram início ao processo de retomada das aulas presenciais para as turmas do Ensino Médio, com o 3º ano. Na última terça (27), retornaram as turmas do 2º ano e, no dia 3 de novembro, voltam as de 1º ano, Ensino Técnico Concomitante e Subsequente e da Educação de Jovens e Adultos (EJA). 



 

Veja também

Pernambuco registra 781 casos da Covid-19 nas últimas 24h e 25 novas mortes
Coronavírus

Pernambuco registra 781 casos da Covid-19 nas últimas 24h e 25 novas mortes

ONU condena 'racismo estrutural' no Brasil após assassinato de João Alberto
Racismo

ONU condena 'racismo estrutural' no Brasil após assassinato de João Alberto