Luto

Entenda a embolia que levou ator Paulo Gustavo a estado terminal

Embolia gasosa tornou o quadro dele irreversível

Ator Paulo GustavoAtor Paulo Gustavo - Foto: Reprodução/Instagram

O último boletim médico do ator e humorista antes da confirmação da morte do ator Paulo Gustavo, aos 42 anos, nesta terça-feira (4), informava que ele era considerado um paciente terminal após a constatação de uma embolia gasosa.

Ele ainda tinha sinais vitais presentes, mas o quadro já era considerado irreversível. Ele estava internado desde o dia 13 de março por complicações da Covid-19.

O ator vinha apresentando sinais de recuperação, mas acabou voltando a apresentar piora em seu estado de saúde no último domingo (2), quando teve uma embolia gasosa que se disseminou em decorrência de fístula brônquio-venosa (rompimento do tecido do pulmão). 

O cardiologista Múcio Tavares, diretor do Hospital Dia e Centro de Infusão do Incor (Instituto do Coração), disse que, infelizmente Paulo Gustavo, teve uma condição rara em pacientes e quando isso acontece é devido a uma infecção grave. No caso do ator, o médico explicou que parte do ar foi para o pulmão e outra atingiu a corrente sanguínea.

"Ele teve uma infecção bacteriana no pulmão que acabou destruindo tecidos e, neste caso, foram os bronquíolos [pequenos tubos no interior do pulmão], que são fundamentais. Eles são parte da ramificação que levam o ar para os alvéolos (sacos) onde o sangue é oxigenado no pulmão", explicou.

Segundo o cardiologista, quando o paciente tem uma infecção a parede do bronquíolo é destruída e parte de um vaso sanguíneo que passa ao lado acaba se comunicando com essa via aérea. "O ar passa do bronquíolo para a corrente sanguínea e, dependendo do grau, tem uma grande destruição pulmonar", afirma.

Tavares diz que quando entra uma quantidade maior de ar na corrente sanguínea ele é levado para os pulmões, cérebro, coração ou para outro órgão, impedindo o fluxo do sangue para algumas partes do corpo. "É como se funcionasse como um entupimento impedindo que o sangue chegue ao órgão.”

O procedimento indicado para este tipo de emergência seria uma intervenção cirúrgica, mas que seria de alto risco no quadro apresentado por Paulo Gustavo.

"Você tem que tirar o pedaço do pulmão que está causando isso e no caso dele não iria resistir à cirurgia. Você sabe que o risco é maior que o benefício da vida. Em uma situação crítica do ponto de vista cardíaco e infeccioso, qualquer procedimento pode acelerar a morte", explicou.

Segundo Tavares, a terapia por ECMO (Oxigenação por Membrana Extracorpórea) à qual Paulo Gustavo era submetido, desde o dia 25 de março, é fundamental. O quadro de infecção e a baixa oxigenação exigia a substituição do pulmão porque a pneumonia bacteriana leva a um enfraquecimento do tecido que fica "frágil e quebradiço”.

Histórico
Paulo Gustavo estava internado há mais de 40 dias. A informação foi divulgada pela assessoria de imprensa do artista no dia 15 de março, dois dias depois de ele ser internado.

Na ocasião, o marido dele, Thales Bretas, disse que ele estava melhorando e agradeceu o carinho dos fãs. O ator é pai de dois meninos.

Pouco mais de uma semana após a internação, no dia 21 de março, o ator precisou ser intubado porque estava com dificuldade para respirar. Na época, foi divulgado que o procedimento era uma precaução e Bretas disse que era "mais um passo na cura da infecção”.

"[Paulo] foi sedado e intubado para que a cura consiga se estabelecer nos seus pulmões sem cansá-lo tanto com a falta de ar que o incomodava", disse. "Estou calmo, confiante e tenho certeza de que será um passo importante para a melhora completa do nosso guerreiro!!! Ele que é jovem, saudável, sem comorbidades e supercuidadoso, está passando por isso.”

O ator respondeu bem ao tratamento e teve uma evolução positiva nos dias seguintes. Porém, no dia 2 de abril, o estado de saúde dele piorou.

Ele acabou precisando mudar de tratamento e passou a respirar com a ajuda de ECMO (Oxigenação por Membrana Extracorpórea), uma espécie de pulmão artificial usado apenas em casos mais graves.

Dois dias depois, Paulo Gustavo precisou passar por uma pleuroscopia, para que a equipe médica pudesse verificar a condição de seus pulmões. Na ocasião, foi identificada uma fístula broncopleural, espécie de comunicação anormal entre os brônquios e a pleura. Ela foi corrigida.

Em 7 de abril, o marido de Paulo contou que o ator teve que receber uma transfusão de sangue. Segundo ele, devido ao ECMO, o paciente ficou "anticoagulado" e perdeu "um pouco de sangue". "Por isso precisou tomar algumas bolsas de sangue", explicou. Na mesma publicação, ele também incentivou as pessoas a irem doar sangue.

Dias depois foi realizada uma toracoscopia, na qual uma nova fístula broncopleural foi identificada e corrigida. De acordo com comunicado da assessoria de imprensa do humorista, o procedimento foi um sucesso.

No dia 11, o boletim médico dizia que a situação clínica do ator continuava crítica. "Todos os profissionais têm se empenhado incessantemente pela sua recuperação", dizia a nota publicada nas redes sociais.

Veja também

Se contrato com Pfizer fosse aceito em agosto, Brasil teria 18,5 milhões de doses
Saúde

Se contrato com Pfizer fosse aceito em agosto, Brasil teria 18,5 milhões de doses

Pandemia da Covid-19 reduz despesas de planos de saúde no país
Pandemia

Pandemia da Covid-19 reduz despesas de planos de saúde no país