Educação

Escola da Vida busca elevar alfabetização

Projeto social dará aulas itinerantes a moradores em situação de rua que vivem em oito bairros de Olinda

Gabrielly Marinho diz que iniciativa é uma oportunidade de transformar sua vidaGabrielly Marinho diz que iniciativa é uma oportunidade de transformar sua vida - Foto: Arthur Mota

Moradores em situação de vulnerabilidade terão a oportunidade de aprender a escrever, ler e se alfabetizarem através do projeto Escola da Vida. Encabeçado pela Universidade Rural de Pernambuco (UFRPE) com financiamento do Ministério da Educação (MEC) e execução da organização social Centro de Prevenção às Dependências, as aulas itinerantes estão sendo realizadas em oito localidades do município de Olinda - Praça do Carmo, Varadouro, Rio Doce, Sítio Histórico, Bairro Novo, Ilha do Maruim, Peixinhos e Comunidade do V8. A expectativa é elevar a escolaridade dos 150 participantes e estimular uma visão crítica, para que eles possam construir caminhos e possibilidades de melhorar a vida.

Para a moradora em situação de rua, Gabrielly Marinho, de 23 anos, essa é uma oportunidade única de transformar sua vida. Ela cursou até o 1º ano do ensino fundamental e pretende voltar a estudar para quem sabe, conseguir ser juíza, seu grande sonho. “É muito importante participar, infelizmente hoje vivo no mundo das drogas, mas quero sair e ter oportunidades melhores. Já corri para tirar meus documentos, agora quero concluir meus estudos”, afirmou. A troca de vivências é outro ponto marcante da ação.

“Tenho aprendido todos os dias com eles e os nossos problemas ficam pequenos diante da dificuldade que eles enfrentam. Muitos chegam aqui sem saber nem como será o amanhã, se vão ter o que comer e onde dormir”, relatou Joana Albuquerque, educadora de letramento.

Entre os maiores desafios, ela destaca é a alfabetização inicial. “Muitos deles não reconhecem as letras do alfabeto. Precisamos treinar a motricidade fina, realizar atividades de caligrafia e dividir as dinâmicas com aqueles que já possuem certo estudo”, explicou a professora.

Leia também:
Projeto oferece aulões de reforço para estudantes da rede pública do Recife

Com uma equipe formada por pedagogas, psicólogos, advogada, sociólogos e assistentes sociais, a Escola da Vida promoverá ao todo 32 oficinas com cada turma formada. Os encontros já têm sido realizados desde novembro do ano passado, mas o equipamento apresentado ontem foi disponibilizado semana passada.

Para as aulas ao ar livre, o projeto vai usar um carrinho-escola equipado com uma minibiblioteca, materiais didáticos, quadro para projetor e quadro negro. Como contrapartida, por meio de um convênio firmado na manhã de ontem, com a Prefeitura do Olinda, a gestão disponibilizara um carro, onde o carrinho-escola estará acoplado, com motorista, para possibilitar a realização das oficinas nas ruas.

“O projeto nasceu na nossa crença de que a educação é a única política que pode gerar demandas de transformação social na vida de pessoas em vulnerabilidade social. A ideia do carrinho-escola é para democratizar o ensino e fazer com que ele chegue aos espaços públicos”, afirmou a coordenadora da Escola da Vida, Ana Glória Melcop. Ela também ressalta que a iniciativa não tem como objetivo substituir a escola normal. “O que nós estamos buscando é fazer com que essas pessoas retomem o caminho de volta para a escola”, declarou.

Para a reitora da UFRPE, Maria José da Sena, a principal missão do projeto é proporcionar dignidade as pessoas. “Queremos abrir os horizontes destes estudantes e dizer que eles têm direitos, mas para busca-los o melhor caminho é o da Educação. Estamos proporcionando aqui esperança e possibilidade de uma vida melhor. Esperamos que com os resultados positivos, possamos propor o projeto para outros municípios do Estado”, declarou. Empresas particulares também podem torna-se parceiros, inclusive, para viabilizar a possibilidade de ampliar o número de carrinhos-escolas.

O projeto também vai capacitar 120 profissionais que atuam diretamente com o público nas ruas do município. Assistentes sociais, da saúde, segurança pública e conselhos tutelares vão trabalhar com os temas: Cidadania, População em situação de rua, Legislação, Programa Nacional de Direitos Humanos, Cenário das vulnerabilidades (pobreza, drogas, tráfico). O objetivo é melhorar atendimento profissional ofertado a esta população específica. “Para o município esse é um projeto muito importante, vamos levar educação para as pessoas que mais precisam e Olinda é pioneira nesse projeto”, afirmou o vice-prefeito Marcio Botelho.

Veja também

Ministério de Damares abre canal de denúncias para ouvir queixas de pessoas antivacinaDireitos Humanos

Ministério de Damares abre canal de denúncias para ouvir queixas de pessoas antivacina

Biden promete apoio à Ucrânia em telefonema com presidente da UcrâniaEUA e Ucrânia

Biden promete apoio à Ucrânia em telefonema com presidente da Ucrânia