Escolas com infraestrutura ruim têm pior desempenho no Ideb

A relação entre resultados escolares e infraestrutura é um dos pontos apontados em estudo feito pela Unesco e pela UFMG

Escola em Jaboatão dos GuararapesEscola em Jaboatão dos Guararapes - Foto: Divulgação / Prefeitura de Jaboatão dos Guara

Escolas com prédios precários, pouco acesso a serviços públicos e sem inclusão para pessoas com deficiência tiveram as piores avaliações no Ideb -o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica, que sintetiza o desempenho médio dos alunos na Prova Brasil e a média de taxas de aprovação. A relação entre resultados escolares e infraestrutura é um dos pontos apontados no estudo realizado pela Unesco e pela UFMG, que analisa a qualidade da infraestrutura das escolas públicas de ensino fundamental no Brasil, divulgado nesta quarta-feira (31).

Com base no Censo Escolar e no Saeb (Sistema de Avaliação da Educação Básica) do Inep, a pesquisa utilizou dados de 143.170 escolas públicas e privadas de ensino fundamental do país, avaliando os anos de 2013, 2015 e 2017. As privadas e federais foram usadas para validação, mas retiradas da análise final.

A relação entre as notas do Ideb e índices de infraestrutura é apontada tanto em anos iniciais, quanto finais do ensino fundamental, segundo o estudo. "Não é um modelo controlado, mas o que ele mostra é que é uma condição básica: sem você ter infraestrutura, dificilmente vai ter bons resultados", explica Maria Teresa Gonzaga Alves, professora da UFMG e uma das coordenadoras da pesquisa.

Para avaliar a qualidade da infraestrutura escolar, a pesquisa focou em cinco dimensões: área (zona urbana ou rural, estado e região do país onde está localizada); atendimento (etapas e modalidade de ensino); condições da escola (estado dos prédios, acesso a serviços públicos, ambiente); condições para ensino e aprendizado (situação dos espaços pedagógicos) e condições para equidade (acesso e ambiente para pessoas com deficiência).

Leia também:
MEC quer reunir serviços de inscrições para bolsas e exames em nova plataforma
Novo bloqueio do Orçamento atinge R$ 348 milhões da Educação
Inep realiza questionário para revisar o Censo da Educação Superior

Ainda que federais e particulares sigam com médias melhores do que estaduais e municipais, os indicadores da rede pública evoluíram. Escolas urbanas seguem com indicadores melhores do que as da zona rural. O tamanho das escolas também faz diferença. Escolas com até 50 alunos, por exemplo, categoria que inclui a maioria dos estudantes brasileiros, têm indicadores mais baixos que aquelas com mais de 400 alunos. Em alguns indicadores a diferença chega perto de cinco pontos.

A pesquisa também dividiu a infraestrutura geral dos estabelecimentos em sete níveis, sendo as escolas de nível I as com situação mais precária, não tendo nem banheiros dentro dos prédios (geralmente encontradas em zona rurais e na região Norte) até o nível VII (nível de grandes escolas urbanas do Sul e Sudeste).

O estudo indica que a infraestrutura das escolas reflete aspectos padrão do país. Quanto mais alto o Inse (índice de nível socioeconômico) dos alunos, por exemplo, maiores também os indicadores de infraestrutura da escola. "Temos escolas para pobres e para ricos, e estamos analisando somente escolas municipais e estaduais. Mesmo na rede pública, a desigualdade é muito grande", avalia Maria Teresa.

Quanto à regiões, enquanto Centro-Oeste ocupa posição intermediária, Sul e Sudeste têm médias melhores de infraestrutura do que as do Norte e Nordeste. O Nordeste foi a região que mais avançou no período analisado - especialmente o Ceará.

Maria Teresa explica a melhora com algo que não entrou no estudo: dados recentes do Inep indicam investimento de cerca de 200% em educação básica nas regiões mais pobres entre 2000 e 2015, em políticas articuladas entre entes da federação.
O indicador onde muitos estabelecimentos de ensino tiveram baixa é AEE (Atendimento Educacional Especializado), que mede inclusão. Enquanto os dados mostram diminuição de escolas entre nível I e III, há dificuldade para se chegar a mais escolas nível VII, que tem como determinante condições de inclusão para pessoas com deficiência.

Para Maria Teresa, é preciso investimento, mas também tomar cuidado na análise dos dados. "Eles indicam que talvez a gente precise melhorar a coleta do dado, talvez colocar mais itens para refinar a medida. A escola pode ter rampa adaptada, mas será que tem banheiro adaptado?", diz.

A melhoria da infraestrutura das escolas é uma das metas do PNE (Plano Nacional de Educação) de 2014, como estratégia para melhorar os índices de educação básica no país. Ela também é prevista entre as metas da Agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável, aprovadas em 2015, em reunião de líderes mundiais na Coreia do Sul.

A ideia é que a análise de dados do estudo, ajude a apontar uma forma de municípios e estados monitorarem os números. "É interessante se esse trabalho ajudar no acompanhamento de uma qualidade que a gente espera que não caia".

Veja também

Contra dupla função, rodoviários paralisam circulação de ônibus no Centro do Recife
Protesto

Contra dupla função, rodoviários paralisam circulação de ônibus no Centro do Recife

Plano de Convivência: veja em qual etapa está cada cidade de Pernambuco a partir desta segunda
Coronavírus

Plano de Convivência: veja em qual etapa está cada cidade de Pernambuco a partir desta segunda