Notícias

Espanha declara dez dias de luto nacional por vítimas da Covid-19

Já são quase 27.000 mortes e mais de 235.000 casos de contágio no país

Atendimento a paciente de coronavírus na EspanhaAtendimento a paciente de coronavírus na Espanha - Foto: Oscar del Pozo/AFP

O governo espanhol decretou, nesta terça-feira (26), dez dias de luto a partir desta quarta-feira (27), em homenagem às vítimas do coronavírus.

Já são quase 27.000 mortes e mais de 235.000 casos de contágio no país. É "o luto mais longo da nossa democracia", restabelecida em 1977, disse o chefe do governo espanhol, Pedro Sánchez

O Conselho de Ministros aprovou "a declaração oficial de luto em todo país pelas vítimas do coronavírus (...) a partir de amanhã, com bandeiras a meio pau em todos os prédios públicos", anunciou a porta-voz do governo, María Jesús Montero.

Leia também:
Espanha revisa em quase 2 mil a menos balanço de mortos por coronavírus
Espanha impõe máscara obrigatória a partir dos 6 anos
Estudo estima que apenas 5% da população da Espanha contraiu o coronavírus


A porta-voz do governo de coalizão de esquerda também apontou que "um grande ato oficial" será organizado mais tarde, presidido pelo rei Felipe VI para homenagear os mortos, 80% deles acima dos 70 anos.

País de origem da pandemia, a China estabeleceu um Dia Nacional de Luto pelas vítimas do vírus em 4 de abril, enquanto as prefeituras italianas organizaram atos de memória para as vítimas em 31 de março.

Nos Estados Unidos, o presidente Donald Trump decretou que as bandeiras ficassem hasteadas a meio mastro entre 22 e 24 de maio.

A oposição de direita exigiu repetidamente que Sánchez declarasse luto oficial, mas o líder socialista preferiu esperar até que a epidemia estivesse sob controle.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

Veja também

Cidade ucraniana de Kharkiv 'desrrussifica' suas ruas
Guerra na Ucrânia

Cidade ucraniana de Kharkiv 'desrrussifica' suas ruas

Aliança Quad rejeita 'mudanças pela força', com a China na mira
China e Taiwan

Aliança Quad rejeita 'mudanças pela força', com a China na mira