Especialista da Honda alerta para riscos de pilotar e beber

Apesar da queda nos números de mortes no trânsito e do destaque na mídia, motociclistas precisam ficar atentos

Especialista da Honda dá dicas sobre pilotagem seguraEspecialista da Honda dá dicas sobre pilotagem segura - Foto: divulgação

Desde o início da vigência da Lei nº 11.705, conhecida popularmente como Lei Seca, o número de mortes no trânsito no País apresenta sucessivas quedas. Em 2010, foram registrados 7.952 óbitos segundo o Ministério da Saúde. Em 2016, último ano com dados disponíveis, foram 5.773 mortes, uma redução de 27,4%.

Nos últimos dez anos, pelo menos 1,6 milhão de pessoas ficaram feridas em acidentes de trânsito no País de acordo com dados do Conselho Federal de Medicina (CFM). No planeta, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), pelo menos 1,35 milhão de óbitos são registrados nas estradas a cada ano.

Leia também:
Campanha Maio Amarelo visa a diminuir acidentes no trânsito
Maio Amarelo: Confira dicas para a credencial de estacionamento especial


Apesar de a legislação ter ficado menos tolerante com quem dirige após ingerir bebidas alcoólicas e o assunto ter ganhado mais destaque na mídia, os cuidados para garantir um trânsito mais seguro não podem ficar em segundo plano. O assunto também faz parte dos alertas da campanha de conscientização Maio Amarelo que, este ano, traz como tema “No trânsito o sentido é a vida”. Motociclistas precisam redobrar a atenção e se conscientizar cada vez mais sobre os perigos de pilotar após beber.

Para o supervisor da unidade Recife do Centro Educacional de Trânsito Honda (CETH), Marcello Torres, os motociclistas precisam passar por uma mudança de comportamento para dar mais atenção ao tema. “Precisa se ter uma consciência que dirigir e beber não combina. O motociclista, quando bebe, não deve pilotar, pois perde reflexo e pode perder até o equilíbrio”, alertou. “É extremamente perigoso e contra a lei. O grande problema é que o álcool tira todo o nosso reflexo e nossa rapidez, que precisamos ter para tomar uma decisão no trânsito, por exemplo, ou agir em algumas situações”, acrescentou Torres.

Como a motocicleta precisa de equilíbrio dinâmico para se locomover, a falta de estabilidade provocada pelo consumo de álcool coloca em risco a vida do piloto e também dos demais usuários do trânsito. “O que falta no piloto é um pouco mais de comprometimento e um pouco de amor à própria vida e à do próximo, como um familiar ou outro usuário do trânsito”, afirmou o representante da Honda.

Aquelas conhecidas dicas sobre não dirigir ou pilotar após beber continuam válidas. “Seja o amigo da vez ou, quando for sair para beber, vá de outro meio de transporte. Tem aquele jargão do ‘Isso nunca vai acontecer comigo’, mas é bem falso porque, quando acontece, não é só a pessoa que sofre sozinha, mas também todos que estão à sua volta”, finalizou Marcelo.

Veja também

Pandemia desacelera, mas EUA não se dispõe a abrir fronteiras como a UE
Internacional

Pandemia desacelera, mas EUA não se dispõe a abrir fronteiras como a UE

Recife fará busca por quem ainda não tomou segunda dose de vacina contra a Covid-19
Imunização

Recife fará busca por quem ainda não tomou segunda dose de vacina contra a Covid-19