Estação Santa Luzia terá integração temporal a partir de sábado

Acesso não terá cobrança de uma nova tarifa dentro do período de duas horas

Integração temporalIntegração temporal - Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

Assim como já ocorre em outras três estações do Metrô do Recife, a Estação Santa Luzia passará a funcionar com o esquema de integração temporal a partir do próximo sábado (10).

Segundo a Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), com a mudança, os três mil usuários que diariamente fazem a integração metrô/ônibus e ônibus/metrô na estação farão o segundo embarque exclusivamente com o Vale Eletrônico Metropolitano (VEM). O acesso não terá cobrança de uma nova tarifa dentro do período de duas horas.

Leia também:
Começa a valer integração temporal do TI Recife
Nova tarifa do metrô entra em vigor

Nessa semana que antecede o início da operação, uma ação educativa orienta os usuários sobre a mudança por meio de cartazes espalhadas nas estações de metrô, nas linhas que compõem a matriz de integração e no Terminal Integrado Santa Luzia.

Devido à mudança, o usuário que desembarcar no TI Santa Luzia em direção ao metrô deverá passar seu VEM na linha de bloqueio do metrô para ter acesso à Estação, sem o pagamento de uma nova tarifa.

No sentido contrário, ao sair do metrô e entrar no TI para embarcar nas linhas 102 - TI Santa Luzia/Ibura, 106 - TI Santa Luzia/Parque Aeronáutica e 204 - TI Santa Luzia/Loteamento Jiquiá, o usuário deverá acessar o ônibus obrigatoriamente pela porta dianteira e passar o cartão no validador do coletivo, girando a catraca para completar o embarque, sem o pagamento de uma nova tarifa.

A integração temporal já é realizada na Estação Cavaleiro desde julho de 2017, na Estação Largo da Paz desde junho de 2018 e na Estação Recife desde abril de 2019.

Veja também

Depois de 652 dias, Bélgica consegue formar um governo
internacional

Depois de 652 dias, Bélgica consegue formar um governo

Em um ano, pobreza na Argentina sobe e passa a atingir 18,5 milhões de pessoas
internacional

Em um ano, pobreza na Argentina sobe e passa a atingir 18,5 milhões de pessoas