Investigação

Estado reitera apoio em elucidação de crime resultante de briga entre PM e policial penal

Familiares de Cláudio Bandeira de Melo Sobrinho, vítima de tiroteio ocorrido em Boa Viagem, pede justiça para o caso

Após reunião no Palácio do Campo das Princesas, família diz que saiu fortalecidaApós reunião no Palácio do Campo das Princesas, família diz que saiu fortalecida - Foto: Alexandre Aroeira

A família de Claudio Bandeira de Melo Sobrinho, uma das três vítimas fatais do tiroteio entre um policial penal e um major da PM, foi recebida, nesta segunda-feira (19), pelo governador Paulo Câmara, no Palácio do Campo das Princesas, no Recife. O objetivo do encontro foi para pedir mais transparência nas investigações do caso e respostas quanto ao relaxamento da prisão dos envolvidos diretamente no tiroteio, o policial militar José Dinamérico Barbosa da Silva e o policial penal Ricardo de Queiroz Costa.

No gabinete do governador, Paulo Câmara, o secretário executivo de Defesa Social e o delegado federal Humberto Freire de Barros conversaram com os familiares de Claudio. 

"Não é possível que nada seja feito. Há filmagens e testemunhas. Três pessoas que não tinham nada a ver com a discussão dos dois morreram. A Justiça precisa ser feita", disse Liliane Bandeira Fiuza, irmã de Claudio. Ela relatou ainda que mantém contato com as famílias das outras vítimas, mas que eles estão assustados e sentem medo da exposição.

"Pense em uma pessoa do bem, tranquila, que não se envolvia em confusão. Meu filho era muito querido e é lamentável que tenha partido dessa forma. Os responsáveis não podem ficar impunes", completa Lilian Bandeira de Melo, mãe da vítima.



Em nota, a Secretaria de Defesa Social informou que foi reiterado no encontro o empenho das forças policiais na elucidação do crime e responsabilização dos dois servidores públicos envolvidos.  “No dia 28 de setembro, dentro do próprio mês da ocorrência, o delegado titular da 3ª Delegacia de Polícia de Homicídios/DHPP, Francisco Océlio, encaminhou o inquérito policial ao Ministério Público de Pernambuco, após concluir as investigações, ouvir depoimentos e analisar perícias realizadas pela Polícia Científica. O policial militar foi indiciado por três homicídios consumados e duas tentativas de homicídio, enquanto o policial penal responderá por tentativa de homicídio. No âmbito disciplinar, a Corregedoria Geral da SDS abriu processos administrativos e está investigando a conduta dos servidores”, diz o texto.

O irmão da vítima do tiroteio, Geraldo Bandeira de Melo Filho disse que a conversa com Paulo Câmara foi muito importante e que a família sai mais fortalecida. "Foi muito importante ter esse encontro com o governador e perceber que ele também anseia pela justiça. Ele está ciente do caso e irá cobrar a transparência necessária", disse. "O governador disse que vai cobrar transparência e urgência", emendou Lilian, a mãe. 

Relembre o caso
O major e o agente penitenciário trocaram tiros na noite do dia 5 de setembro, no Bar do Primo, em Boa Viagem, Zona Sul do Recife. Segundo informações, o tiroteio teria começado com uma discussão entre os dois, que sacaram suas armas de fogo e efetuaram vários disparos no local.

Cláudio Bandeira de Melo Sobrinho tinha 57 anos e chegou a ser levado para o Hospital da Restauração, mas faleceu na madrugada do dia 5 para 6 de setembro. Além dele, outras duas pessoas morreram por conta da troca de tiros. Ekel de Castro Pires, de 62 anos, veio a óbito ainda no local. Já George Mauro de Carvalho Vasconcelos, de 70 anos, faleceu por volta das 19h do dia 9 de setembro. Outras duas pessoas ficaram feridas, mas passam bem.

Veja também

Pernambuco registra 553 novos casos e 16 mortes por Covid-19, nas últimas 24 horas
Coronavírus

Pernambuco registra 553 novos casos e 16 mortes por Covid-19, nas últimas 24 horas

Covid-19: ANTT define novas medidas para o transporte interestadual
Saúde

Covid-19: ANTT define novas medidas para o transporte interestadual