MUNDO

Estados Unidos anuncia cúpula virtual mundial sobre Covid-19 em maio

O encontro virtual será coordenado pelo Estados Unidos e Alemanha, que preside atualmente o G7

Protocolos contra Covid-19 na Coreia do SulProtocolos contra Covid-19 na Coreia do Sul - Foto: Jung Yeon-je/AFP

Uma reunião de cúpula mundial para vislumbrar o fim da crise da Covid-19 e planejar o mundo para futuras ameaças ligadas à saúde será organizada em 12 de maio - informou a Casa Branca nesta segunda-feira (18).

O encontro será realizado de forma virtual, sob coordenação de Estados Unidos, Alemanha (atual presidência do G7), Indonésia (à frente do G20), Senegal (na presidência da União Africana) e Belize, este último, pela Comunidade do Caribe (Caricom).

"A cúpula redobrará nossos esforços coletivos para encerrar a fase grave da pandemia da Covid-19 e nos preparar para futuras ameaças sanitárias", disseram esses países em comunicado conjunto publicado por Washington.

Será o segundo encontro mundial sobre a pandemia de coronavírus. Desde seu surgimento, há dois anos, a Covid-19 deixou mais de seis milhões de mortos e profundas perturbações na economia e no comércio em todo mundo.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, organizou uma reunião semelhante em setembro, ocasião em que pediu aos países parceiros que aumentassem as vacinações.

Hoje, embora a taxa de mortalidade ligada à covid tenha diminuído, o vírus continua a se espalhar, impedindo muitos países de suspenderem totalmente as restrições à mobilidade. Os habitantes de Xangai, na China, por exemplo, sofrem um confinamento prolongado.

Os países anfitriões da cúpula pediram que se mantenha o senso de urgência diante da crise sanitária.

"Pedimos aos líderes mundiais, membros da sociedade civil, ONGs, filantropos e o setor privado que assumam novos compromissos e forneçam soluções para vacinar o mundo, salvar vidas agora e construir uma melhor segurança sanitária para todos, em todos os lugares", disseram no comunicado..

"O surgimento e a disseminação de novas variantes, como a ômicron, reforçaram a necessidade de uma estratégia de controle da Covid-19 em todo mundo", acrescentaram.

E, ainda que as variantes mais recentes sejam menos letais, a cúpula vai procurar se concentrar em evitar que futuras catástrofes peguem o mundo desprevenido. 

"Sabemos que temos que nos preparar agora para construir, sustentar e financiar a capacidade global de que precisamos, não apenas para variantes emergentes da Covid-19, mas também para futuras crises sanitárias", ressalta a nota.

A doença da Covid-19 está longe de ser endêmica e ainda pode causar "grandes epidemias", disseram as autoridades da Organização Mundial da Saúde (OMS), na quinta-feira passada (14).

"Ainda estamos no meio dessa pandemia. Todos nós queríamos que não fosse esse o caso, mas não estamos em um estágio endêmico", ressaltou a responsável na OMS pela luta contra a Covid-19, Maria Van Kerkhove.

Veja também

Trump diz: 'fui atingido por uma bala que perfurou a parte superior da minha orelha direita'
ATENTADO

Trump diz: 'fui atingido por uma bala que perfurou a parte superior da minha orelha direita'

Biden diz que 'não há lugar para esse tipo de violência' após tiroteio em comício de Trump
SOLIDARIEDADE

Biden diz que 'não há lugar para esse tipo de violência' após tiroteio em comício de Trump

Newsletter