Coronavírus

Estados Unidos tem recorde de 80 mil novos casos de Covid-19 em 24 horas

Em valores absolutos, os Estados Unidos são o país mais afetado no mundo pelo coronavírus

CoronavírusCoronavírus - Foto: Vincenzo Pinto/AFP

Os Estados Unidos bateram seu recorde de novas infecções por Covid-19 em 24 horas, nessa sexta-feira (23), com quase 80 mil positivos, de acordo com dados continuamente atualizados pela Universidade Johns Hopkins. Entre as 20h30 de quinta-feira (22) e o mesmo horário na sexta, foram registradas 79.963 novas infecções, elevando o número total de infectados para quase 8,5 milhões em todo o país desde o início da pandemia.

Os Estados Unidos já haviam atingido a barreira dos 80 mil positivos diários durante o mês de julho, principalmente devido às novas infecções em estados do sul como Texas e Flórida, onde, na época, o vírus estava fora de controle. Os piores surtos estão agora nas regiões Norte e Centro-Oeste, com 35 dos 50 estados americanos apresentando aumento no número de casos.

 

O número de mortes em 24 horas permanece estável no geral desde o início do outono, com registro de entre 700 e 800 óbitos por dia. Mais de 223.000 pessoas morreram de covid-19 no país desde o início da pandemia. Em valores absolutos, os Estados Unidos são o país mais afetado no mundo pelo coronavírus, mas não em valores relativos.

Medidas como o uso de máscaras, que se generalizadas poderiam evitar mais 130 mil mortes até o final de fevereiro, segundo estudo divulgado nesta sexta-feira,  tornaram-se tema de disputa política em um país em plena campanha para as eleições presidenciais de 3 de novembro.

O presidente Donald Trump, amplamente criticado por sua gestão da crise sanitária e que insiste em minimizar a periculosidade do vírus, prometeu a chegada iminente de uma vacina, que afirma será gratuita.

O candidato democrata à Casa Branca, Joe Biden, também prometeu na sexta-feira que a vacina será "gratuita para todos" caso vencer as eleições.

Veja também

ONU condena 'racismo estrutural' no Brasil após assassinato de João Alberto
Racismo

ONU condena 'racismo estrutural' no Brasil após assassinato de João Alberto

Cisam, na Encruzilhada, ganhará centro de parto normal
Maternidade

Cisam, na Encruzilhada, ganhará centro de parto normal