'Estou me guardando para quando o carnaval chegar', diz Dilma sobre candidatura

A ex-presidente Dilma Rousseff afirmou que, de um ponto de vista de construção do país, se dispõe a fazer coisas às que anteriormente não se dispunha

Ex-presidenta Dilma RousseffEx-presidenta Dilma Rousseff - Foto: Roberto Stuckert Filho/ PR

A ex-presidente Dilma Rousseff (PT) ainda despista quando o tema é uma possível candidatura ao Senado. "Estou me guardando para quando o carnaval chegar", disse a jornalistas, numa referência à música "Quando o carnaval chegar", de Chico Buarque, após visitar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba (PR), nesta quinta (31).

A petista afirmou que, de um ponto de vista de construção do país, se dispõe a fazer coisas às que anteriormente não se dispunha. Dilma negou-se, no entanto, a se aprofundar no tema, afirmando que não explorará o que não tem certeza.

A ex-presidente relatou que Lula está com uma excelente aparência física e moral elevada, além de muito indignado. Ele teria dito que ficou "extremamente impactado" pelo tamanho do desastre provocado pela política de preços praticada pela Petrobras e pelo governo do presidente Michel Temer.

Leia também


Petrobras
Dilma falou à imprensa durante cerca de 15 minutos e ocupou a maior parte do tempo discorrendo sobre a situação da Petrobras e o que chama de "maldição do petróleo". Ela teria discutido o tema com o ex-presidente. Para Dilma, a maldição acontece quando um setor exporta apenas o óleo bruto e importa todos os demais bens. Dilma afirmou que os governos petistas queriam impedir que isso ocorresse e, por isso, expandiram e modernizaram refinarias, buscando a autossuficiência.

A ex-presidente também disse que "inventaram que a Petrobras estava quebrada" para reduzir a produção das refinarias. Ela afirmou que não se pode aceitar que "dolarizem" o petróleo brasileiro. "Por que o petróleo brasileiro, com custos nacionais, precisa estar dolarizado?", questionou.

Respondendo a acusações de que seu governo segurou o preço dos combustíveis, ela voltou a criticar o posicionamento do mercado internacional como baliza. A ex-presidente disse que o mercado do petróleo é influenciado por pressões derivadas de guerra e do jogo geopolítico e que não é possível deixar que interferências de outros países definam o preço.

Segundo Dilma, a dolarização é uma reivindicação de acionistas minoritários. "Dona Maria e seu Joaquim não têm nada a ver com o mercado internacional." "Eles não defendem o interesse do Brasil. Defendem os interesses das grandes empresas petrolíferas, principalmente as que não têm reservas próprias. O que querem é acesso às nossas", afirmou.

Dilma voltou a afirmar que a candidatura de Lula é a única que pode barrar o "golpe" e disse que se junta à indignação do ex-presidente.

Veja também

EUA destacam 'metas promissoras' de Bolsonaro para proteção ambiental
Diplomacia

EUA destacam 'metas promissoras' de Bolsonaro para proteção ambiental

STF inicia julgamento sobre validade de acordos coletivos de trabalho
Justiça

STF inicia julgamento sobre validade de acordos coletivos de trabalho