Estrutura de mina em Barão de Cocais pode se romper neste sábado

Não é possível prever se colapso do talude da mina Gongo Soco irá desencadear rompimento da barragem Sul Superior, que está em alerta máximo

Barão de CocaisBarão de Cocais - Foto: Reprodução/Google Maps

No dia em que comunicou a Agência Nacional de Mineração (ANM) e a Defesa Civil de Minas Gerais sobre o risco de rompimento do talude norte da mina Gongo Soco, em Barão de Cocais, a Vale estimava que o colapso da estrutura poderia se dar entre 19 e 25 de maio. Portanto, até este sábado.

A mineradora identificou entre os dias 29 e 30 de abril que o talude estava se movimentando entre 3 e 4 centímetros por dia, ritmo considerado mais acelerado que o de costume. Nesta sexta-feira (24), a Vale confirmou que essa movimentação tinha chegado a 17 centímetros por dia. Para se ter uma ideia da gravidade da situação, em 2012, a velocidade de deslocamento do talude era de 10 centímetros ao ano.

A ANM dá como certa a queda do talude. O que ainda não se sabe é se isso se dará aos poucos ou de uma só vez, como explica o chefe da divisão de segurança de barragens de mineração da ANM, Wagner Nascimento.

Leia também: 
Barragem em risco causa aflição a moradores de Barão de Cocais
Barragem 'bomba-relógio' faz população de Barão de Cocais (MG) arrumar malas


— O que a gente torce é que ele venha descendo de forma progressiva e não abrupta. No caso de um rompimento abrupto, a massa desce como um todo e de uma altura maior. Se for um deslizamento progressivo, vai ter uma menor vibração, que é o que nos preocupa hoje.

A vibração causada pela queda do talude norte da mina Gongo Soco é o que pode desencadear um eventual rompimento da barragem Sul Superior. A estrutura é uma das quatro barragens da Vale que se encontram em nível 3 de emergência, ou seja, o mais grave.

Em 8 de fevereiro, ao elevar o nível da estrutura de 1 para 2, a Vale acionou a Defesa Civil para que fizesse uma operação de evacuação da ZAS (Zona de Autossalvamento), que fica mais próxima à barragem. Na ocasião, mais de 400 pessoas deixaram suas casas e foram realocados em outros locais.

Caso a barragem Sul Superior venha a se romper, 6 mil moradores da cidade de Barão de Cocais terão cerca de uma hora para deixarem suas casas e procurarem um local seguro.

A Vale disse ter adotado "todas as medidas preventivas" em Barão de Cocais, desde o dia 8 de fevereiro.

"Além da retirada preventiva dos moradores da Zona de Autossalvamento, a Vale apoiou as autoridades na realização de simulados e na preparação das comunidades para todos os possíveis cenários, com equipes de prontidão permanentemente. Tanto o talude da mina de Gongo Soco como a Barragem Sul Superior estão sendo monitorados 24 horas por dia e as previsões sobre deslocamento de parte do talude, revistas diariamente.

A Vale reforça que não há elementos técnicos que possam afirmar que o eventual deslizamento de parte do talude poderia desencadear a ruptura da barragem. Mesmo assim, reitera que todas as medidas preventivas foram tomadas e segue à disposição das autoridades para prestar todo apoio possível", diz a empresa, em nota.

Veja também

Covid-19: ministério registra 34,4 mil casos e 643 mortes em 24 horas
BRASIL

Covid-19: ministério registra 34,4 mil casos e 643 mortes em 24 horas

Pernambuco ganha lei que concede anistia de IPVA vencidos em 2020 para motos
QUITAÇÃO DE DÍVIDAS

Pernambuco ganha lei que concede anistia de IPVA vencidos em 2020 para motos