Estudante é morto dentro de banheiro de escola no Cabo

Adolescente de 16 anos chegou a ser socorrido para a UPA, mas não resistiu e morreu

Crime ocorreu na Escola Professor Antônio Benedito da RochaCrime ocorreu na Escola Professor Antônio Benedito da Rocha - Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

Um estudante de 16 anos foi morto a tiros dentro do banheiro de uma escola municipal no Cabo de Santo Agostinho, no Grande Recife, na noite dessa segunda-feira (20). O caso ocorreu no térreo da Escola Professor Antônio Benedito da Rocha, localizada na rua Escritor Israel Felipe, no bairro de Cidade Garapu.

Segundo a Polícia Civil de Pernambuco, Emerson Felisberto da Silva chegou a ser socorrido para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da cidade, mas não resistiu aos ferimentos e faleceu no local.

Leia também:
Morre mãe do prefeito licenciado do Cabo de Santo Agostinho Lula Cabral
Estudante reage a assalto e morre a caminho do trabalho no Recife


De acordo com a Prefeitura do Cabo, que lamentou a morte, o estudante era aluno de uma turma da Educação de Jovens, Adultos e Idosos (Ejai), e o caso aconteceu quando alunos entravam no local. O crime ocorreu por volta das 19h, na troca de turnos de aulas.

Ainda segundo a gestão, o ingresso na escola é controlado por porteiros. A escola tem ao todo 1060 estudantes. No período da noite são 196 alunos e 10 turmas. São 30 turmas no total. Segundo a prefeitura, câmeras estão sendo instaladas em 27 unidades de ensino da cidade, incluindo a Antônio Benedito da Rocha. 

Informações preliminares da prefeitura apontam que Emerson morava com um irmão em uma residência próxima à escola e que os tiros foram desferidos contra a cabeça do estudante. Imagens de câmeras de segurança no entorno da unidade de ensino poderão ser usadas para tentar elucidar o crime.

Escola municipal ficou fechada após o crime

Escola municipal ficou fechada após o crime - Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

A escola não funciona nesta terça-feira (21) e deve retornar às atividades nesta quarta-feira (22). "[As atividades] contarão com atividades de acolhimento para os pais, estudantes, professores e demais funcionários. Haverá também acompanhamento sistemático de psicopedagogas", acrescentou a prefeitura. Estudantes ficaram assustados com o crime. Um deles, que não quis se identificar, contou ao Portal FolhaPE que se sente seguro no local e que ficou surpreso com o que aconteceu.

O corpo do estudante foi transferido para o Instituto de Medicina Legal (IML) do Recife. A Polícia Civil informou por meio de nota que instaurou um inquérito para apurar autoria e motivação do homicídio. O caso foi registrado pela Força-Tarefa de Homicídios Sul e será investigado pela 14ª Delegacia de Polícia de Homicídios (DPH).

O estudante Wederson de Souza, 16, também de uma turma do EJA, contou que estuda no horário da noite, mas que o crime já tinha acontecido quando ele chegou no local. “Meus amigos me contaram o ocorrido. Eu não conheceria o Emerson, mas fiquei triste e com medo. A segurança na escola é ruim. Qualquer pessoa que colocar a farda, passa pelo portão e ninguém faz nada”.

Ainda segundo ele, é comum ver estudantes do turno da noite usando drogas nas áreas comuns na escola. “Aqui não tem câmera, não tem nada. Vários assaltos acontecem próximo à escola no turno da noite, mas o policiamento e segurança não melhora”, disse.

A estudante Marília Manoela da Silva, 13, é do 8º ano do turno da manhã. Ela disse que se sente insegura e com bastante medo. “Minha mãe também está com medo. Qualquer pessoa pode entrar na escola. Não existe segurança, só um porteiro que fica limitado ao controle dos alunos”, comentou.

O aluno José Lucas Silva, 15, do 8º ano B, fala sobre a falta de segurança. "Não tem vigilante. Era pra ter segurança, né?", questiona. "Também não tem câmera. Se tivesse era bem melhor", ressalta.

Veja também

Presidente chinês promete um bilhão de doses da vacina anticovid à África
Vacinação

Presidente chinês promete um bilhão de doses da vacina anticovid à África

Trinta e um pesquisadores da Capes que atuam em avaliação renunciam coletivamente
renúncia coletiva

Trinta e um pesquisadores da Capes que atuam em avaliação renunciam coletivamente