Estudantes chineses voltam às aulas com fortes medidas de segurança e medo do coronavírus

Primeiro país afetado pelo coronavírus, a China fechou todas as suas escolas no final de janeiro. Desde então, as aulas eram on-line

Estudantes na ChinaEstudantes na China - Foto: HECTOR RETAMAL / AFP

Os estudantes do ensino médio de Pequim e Xangai voltaram às aulas nesta segunda-feira (27), após quatro meses de férias devido à pandemia de coronavírus, em meio a grandes medidas de segurança, com máscaras e controles de temperatura.

"Estou feliz, fazia muito tempo que não via meus colegas de classe", diz Hang Huan, 18 anos, sorrindo em frente à escola Chenjinglun, no leste da capital chinesa. "Sentia muita falta deles", conta à AFP usando uma máscara e a roupa esportiva que serve como uniforme.

Leia também:
Brasil registra 189 novas mortes por coronavírus e mais de 60 mil casos
Wuhan, epicentro da Covid-19 na China, não registra novos casos

Primeiro país afetado pelo coronavírus, a China fechou todas as suas escolas no final de janeiro, antes do Ano Novo Lunar. Desde então, as aulas eram on-line. As províncias pouco povoadas de Qinghai (noroeste) e Guizhou (sudoeste) foram as primeiras em março a organizar progressivamente o retorno às aulas.

Em Pequim, apenas os alunos do ensino médio tiveram permissão para voltar às aulas nesta segunda-feira para se prepararem para o "gaokao", o vestibular, o mais importante na educação chinesa. Em Xangai, os alunos do ensino médio também retornaram para as salas de aula.

A China conseguiu conter a propagação do vírus, que oficialmente deixou 4.633 mortos no país. Agora, teme uma segunda onda de contaminação com os casos "importados", principalmente de chineses que retornam ao país. O medo do vírus continua presente, também em Pequim, apesar de todas as pessoas que chegam à cidade cumprirem uma quarentena de 14 dias.

Sem abraços
Na entrada do colégio Chenjinglun, um funcionário limpa a calçada com desinfetante. Para manter a distância, o retorno às aulas é feito em pequenos grupos e "sem abraços", lamenta Xiao Shuhan, um garoto de roupa esportiva branca e camiseta preta.

Os alunos precisam passar por uma tenda de desinfecção, com funcionários vestidos com roupas de proteção completas. "Trouxe máscaras dentro de sacos de lixo e desinfetante", explica Meng Xianghao, estudante que voltou a pegar o metrô nesta segunda-feira depois de meses.

Segundo o Ministério da Educação, todos os estudantes do país precisam ter sua temperatura corporal verificada. Nas imagens publicadas pelo Jornal de Pequim, os alunos aparecem sentados separados e usam máscara. Na rede social Weibo, um vídeo gravado em Hanghzou (leste) mostra estudantes com chapéus estranhos com antenas que, teoricamente, servem para respeitar a distância de um metro de seus colegas.

Motivação para estudar
Em Xangai, alguns institutos criaram salas especiais para isolar estudantes com "temperaturas anormais", diz o Ministério. Na escola particular de Huayu, no centro da maior cidade da China, os estudantes mantêm distância, e todos usam máscara, segundo jornalistas da AFP.

Adicionado ao clima especial de volta às aulas, há a ansiedade de uma longa ausência nas aulas e a pressão do "gaokao", o vestibular. Em casa, "você tinha que se motivar para estudar", diz Wang Yuchen, um estudante de 17 anos.

A data dessa temida prova para entrada nas universidades foi excepcionalmente adiada por um mês, para o início de julho, devido à pandemia. A maioria das escolas de ensino fundamental e universidades da China ainda está fechada.

No sábado, o Ministério da Saúde recomendou limitar as aulas on-line a 2h30 por dia para proteger a visão dos mais jovens, "e não mais do que 20 minutos seguidos". "Em casa, era difícil ficar no computador o dia todo e não era bom para aprender", comenta Hang Huan.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

 

Veja também

Hospital Veterinário do Recife abre seleção para estágio obrigatório
Folha Pet

Hospital Veterinário do Recife abre seleção para estágio obrigatório

Cartilha explica leis trabalhistas do Brasil para imigrantes
INFORMATIVO

Cartilha explica leis trabalhistas do Brasil para imigrantes